Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

As mulheres aumentaram a participação no mercado de trabalho do Paraná em cinco anos. O número de trabalhadoras com carteira assinada passou de 1,194 milhão para 1,4 milhão entre 2010 e 2015, o que representou um avanço de 17% de acordo com dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), do Ministério do Trabalho.

O crescimento das mulheres no mercado foi mais que o dobro do que dos homens. No mesmo período, os homens trabalhando com carteira assinada passaram de 1,59 milhão para 1,71 milhão, evolução de 7,7%. 

SALÁRIO MÉDIO - Os dados mostram que entre 2010 e 2015, o salário médio das mulheres no Paraná subiu, sem considerar a inflação, 63,7% - de R$ 1.317 para R$ 2.206 - contra uma evolução, na mesma comparação, de 58,8% dos homens, de R$ 1.656 para R$ 2.629.

“As mulheres, especialmente as mais jovens, têm mais anos de estudo do que os homens, o que tem se refletido em maiores remunerações”, diz Julio Suzuki Júnior, diretor-presidente do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social (Ipardes).

Com isso, houve queda na diferença de salários em relação aos homens, apesar de a distância ainda ser expressiva.

Em 2010, os salários dos homens eram, em média, 23% maiores do que das mulheres. No ano passado, essa relação havia caído para 19% no Paraná. 

Entre os Estados do Sul e do Sudeste, o Paraná tem hoje a menor disparidade entre os sexos, de acordo com dados do Ministério do Trabalho. 

No Rio Grande do Sul, os homens ganhavam, em média, 21% mais do que as mulheres em 2015. No Espírito Santo, essa proporção era de 22%, Minas Gerais (24%), Rio de Janeiro (24%), São Paulo (24%) e Santa Catarina (26%).

ENSINO SUPERIOR – As mulheres estão estudando mais do que no passado. O número de mulheres com ensino superior no mercado de trabalho no Paraná cresceu 35,9% entre 2010 e 2015, passando de 288.122 para 391.835.

Mas não apenas quem tem ensino superior vem se beneficiando do aumento da remuneração. Quanto mais mulheres forem inseridas em posições de maior escolaridade a tendência é que haja uma valorização também de quem ocupa funções mais básicas, na opinião do economista. “É o que ocorre por exemplo na Europa, onde os empregos de menor escolaridade também são mais bem remunerados por uma questão simples: há menos pessoas disponíveis para fazer esse tipo de serviço”, diz Suzuki Júnior. 

ÁREAS QUE LIDERAM - O levantamento do Ipardes com base na Rais também mostra as áreas que lideram a remuneração da mão de obra feminina no Estado. No ano passado, o setor de eletricidade e gás foi a que pagou os maiores salários para as mulheres, com remuneração média de R$ 5.558.

Em segundo lugar ficou a atividade financeira, seguros e serviços relacionados, com R$ 4.519, em terceiro educação (R$ 3.364), em quarto lugar administração pública, defesa e seguridade social (R$ 3.331) e serviços de água, esgoto, atividade de gestão de resíduos e descontaminação na quinta colocação, com com R$ 3.152.

Na outra ponta, os menores salários para as mulheres estão na agricultura, pecuária e produção florestal, pesca e aquicultura, com R$ 1.313; alojamento e alimentação, com R$ 1.251; e serviços domésticos, com R$ 994.

Para Sônia Gurgel, diretora da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH), muitas mulheres passaram, nas últimas décadas, a buscar o mercado de trabalho pela necessidade financeira e para sustentar a família. 

“Muitos casamentos não se solidificaram e muitas não têm mais o marido como provedor. Com a guarda dos filhos, elas passaram a buscar uma colocação”, diz. 

Apesar do crescimento da presença feminina, Sônia explica que também é grande o número de mulheres, especialmente jovens, que estão empreendendo ou buscando uma alternativa de trabalho ou free-lancer com flexibilidade de horários. “Há um movimento de mulheres que tiveram filhos e preferem ficar mais tempo em casa para se dedicar às crianças.” 

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.