Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

De acordo com o indicador do Sistema de Proteção ao Crédito da Associação Comercial e Industrial de Londrina (ACIL), o mês de dezembro se consagrou como o 8º mês consecutivo de aumento do número de consumidores que conseguiram sair da inadimplência, em relação ao mesmo período de 2018.

Dezembro de 2019 teve um acréscimo de 24,2% do número de consumidores que entraram na inadimplência comparado com o mesmo mês de 2018. Entretanto, 95,6 % do total conseguiram sair da inadimplência em dezembro de 2019. A comparação específica de saída da inadimplência em dez/2019 comparada com dez/2018 teve um aumento expressivo de 386,1% de pessoas que conseguiram quitar suas dívidas. Como explica o professor do Departamento de Economia da Universidade Estadual de Londrina, Azenil Staviski, este elevado percentual pode estar relacionado com a preocupação em iniciar um novo ano com o nome não negativado e livre dessas dívidas.

Para o início de 2020 deve-se esperar bons resultados. "A última parcela do 13º, paga no último dia 20, assim como o recebimento do FGTS e uma queda considerável do desemprego, podem influenciar positivamente nos dados de saída da inadimplência neste começo de ano", afirma.

Segundo o economista, de uma forma geral, 2019 foi um ano positivo, já que 67,7% dos consumidores de Londrina conseguiram sair da inadimplência e houve uma queda de 3,2% do número de ingressantes no cadastro ao longo do ano. Porém, a taxa de pessoas que conseguiram sair ao longo do ano é inferior em 6,2%, se comparado com o ano de 2018. Como explica Staviski, esse dado é reflexo do cenário nacional que teve um aumento de famílias brasileiras com dívidas, tendo por base a pesquisa da Confederação Nacional do Comércio, que aponta que 64,7% das famílias brasileiras estão endividadas, tendo como referência o mês de outubro de 2019.

"Embora o desemprego esteja caindo, a situação nacional de endividamento e inadimplência piorou. Isso porque a inadimplência tem diferentes causas, não só a contribuição do desemprego. Entre elas, destaca-se a falta de gestão orçamentária das Receitas e Despesas das Famílias, ou seja, a falta ou inadequada gestão das finanças pessoal ou familiar", ressalta.

Asimp/Acil

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.