Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Vivemos um momento delicado na história do nosso País, onde os políticos que nos representam junto às esferas do Poder tem duas opções: procrastinar e agravar o desequilíbrio fiscal e a agonizante derrocada da economia brasileira - o último a sair, que apague a luz? Ou colocar em votação e negociar a reforma tributária e após, a administrativa e garantir que o futuro das novas gerações não fique comprometido, limitado e inferior ao seu real potencial.

Esse é o momento que vivemos. Alguém já deu o nome de manicômio tributário referindo-se ao nosso disfuncional sistema de impostos, onde o maior e mais complicado componente chama-se Custo Brasil.

É preciso que esse tema volte às agendas do executivo e do legislativo ainda esse ano, independente das eleições, uma vez que a proposta tem potencial para tornar nossa economia mais competitiva e, entre seus pontos positivos devemos elencar a redistribuição da carga tributária, redução do prazo de creditamento do ICMS de bens de capital, redução da cumulatividade dos impostos e significativos  avanços na devolução dos saldos credores de exportação.

Sabemos que somente com a reforma tributária, se reduz o “Custo Brasil”, uma vez que  os setores primário e secundário se tornam fiscalmente eficientes, fazendo a economia crescer, com ganhos sistêmicos estimados em até 40 % do PIB pelo CCiF, gerando mais emprego e renda.

De outro lado, precisamos de travas que impeçam o aumento da carga tributária (em R$ corrigidos pelo INPC e em % do PIB), garantindo ainda  teto para os gastos públicos , bem como a aprovação da PEC do duodécimo e a negociação de uma reforma administrativa ampla, que reduza o tamanho do estado e elimine as distorções hoje existentes. Precisamos ainda buscar uma solução equilibrada para a questão da cesta básica, a partir das diversas alternativas possíveis: alíquota diferenciada, crédito presumido, renda mínima ou imposto negativo.

Mas precisamos mais do que tudo de urgência na votação e reforma tributária, sem o que perderemos outra chance histórica de desenvolvimento da indústria e diminuição do desemprego.

Mathias Elter é engenheiro,  empresário industrial gaúcho e vice-presidente da ABIMAQ -Associação Brasileira da Indústria de Máquinas

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.