Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O segundo levantamento feito pela instituição para acompanhar as micro e pequenas empresas durante a pandemia também revela que mais de 600 mil empresas fecharam as portas e houve o desligamento de 9 milhões de funcionários

Apesar das medidas anunciadas nas últimas semanas pelo Governo Federal, a maioria (60%) dos donos pequenos negócios que já buscou crédito no sistema financeiro desde o início da crise do Coronavírus teve o pedido negado. E ainda há bastante desconhecimento dos empresários a respeito das linhas de crédito que estão sendo disponibilizadas para evitar demissões (29% não conhecem as medidas oficiais e 57% apenas ouviu falar a respeito). Esses dados foram revelados pela segunda pesquisa “O impacto da pandemia do coronavírus nos pequenos negócios”, realizada pelo Sebrae entre os dias 3 e 7 de abril.

O levantamento, que ouviu 6.080 empreendedores de todo o país, mostrou que além da dificuldade de acesso a crédito, os pequenos negócios já tiveram que realizar as primeiras demissões por conta da crise. Nos últimos 15 dias, cerca de 18% dos empresários demitiram funcionários. Considerando o universo de 17,2 milhões de pequenas empresas no Brasil, isso significa que aproximadamente 3 milhões de empreendimentos já demitiram aproximadamente 9 milhões de trabalhadores (média de três empregados por empresa).

De acordo com a pesquisa do Sebrae, a situação financeira das empresas já não era considerada boa pela maioria dos pequenos negócios (73% disseram que era razoável ou ruim), mesmo antes da chegada da pandemia. Com a crise, a questão se agravou drasticamente. Quase 88% das empresas viram seu faturamento cair (a perda foi de 75% em média) e a estimativa é que as empresas consigam permanecer fechadas e ainda assim ter dinheiro para pagar as contas por mais 23 dias (expectativa média dos entrevistados). O estudo mostrou também que mais de 62% dos negócios interromperam temporariamente as atividades ou fecharam as portas definitivamente (o que estima-se equivaler a 602 mil empresas). Entre os 38% que continuam abertos, (5,3 milhões de empresas) a maioria mudou o seu funcionamento passando a fazer apenas entregas, atuando exclusivamente no ambiente virtual ou adotando horário reduzido.

Garantia para o crédito

Para o presidente do Sebrae, Carlos Melles, o levantamento confirma a importância das medidas que vêm sendo anunciadas pelo governo nos últimos dias, em especial a alavancagem que a instituição está fazendo no Fundo de Aval para as Micro e Pequenas Empresas (Fampe). Nos próximos três meses, o Sebrae vai destinar pelo menos 50% da sua arrecadação, para ampliar o crédito aos pequenos negócios. A operação de socorro deve começar com R$ 1 bilhão em garantias, o que viabilizará a alavancagem de aproximadamente R$ 12 bilhões em crédito para pequenos negócios.

“Um dos maiores obstáculos no acesso dos pequenos negócios ao crédito é a exigência de garantias feita pelas instituições financeiras. Nesse sentido, o Fampe funciona como um salvo-conduto, que vai permitir aos pequenos negócios, incluindo até o microempreendedor individual, obterem os recursos para capital de giro, tão necessários para atravessarem a crise provocada pela pandemia do Coronavírus, mantendo os negócios e os empregos”, explica Carlos Melles.

Outros números da pesquisa

Sua empresa mudou o funcionamento com a crise?

    6,6% - não mudaram a forma de funcionar

    31% - mudaram o funcionamento

    58,9% - interromperam o funcionamento temporariamente

    3,5 % - decidiram fechar de vez

Entre as empresas que mudaram seu funcionamento

    41,9% estão atuando apenas para entregas ou online

    41,2% - estão com horário reduzido

    21,6% - adotaram o teletrabalho (home office)

    15,3% - implementaram o rodízio de funcionários

    5,9% - adotaram drive thru

Como estava a situação das finanças antes da crise

    26,6% - era boa

    49% - era razoável

    24,4% -era ruim

 Como seu negócio está sendo afetado em termos de faturamento mensal

    Aumentou - 2,4%

    Diminuiu - 87,5%

    Permaneceu igual - 2,9%

    Não sabe ou não quis responder - 7,2%

Em relação aos funcionários - tomou alguma medida

    46,8% - ainda não tomou medidas

    28% -férias coletivas

    17,8% - suspensão de contrato de trabalho

    17% - redução da jornada de trabalho com redução de salários

Você precisará pedir empréstimos para manter seu negócio em funcionamento sem gerar demissões?

    54,9% - sim

    17% - não

    28,1% - não sabe ou não respondeu

 Já buscou empréstimo desde o início da crise

    30% - sim

    70% - não

Entre os que buscaram crédito

    11,3% - conseguiram

    29,5% - estão aguardando resposta

    59,2% - tiveram pedido negado

Sobre as medidas anunciadas pelo governo nas últimas semanas

Auxílio emergencial para MEI, autônomo e empregados informais

    63,6% - ouviram falar

    34,2% - conhecem bem

    2,2% - não conhecem

Suspensão de contratos de trabalho e redução de jornada com compensação do governo para empregado

    62% - ouviram falar

    22,8% - conhecem bem

    15,3% - não conhecem

Linhas de crédito com juros menores para empresas que não demitirem

    14,2% - conhecem bem

    57,3% - ouviram falar

    28,5% -não conhecem

Asimp/Sebrae

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.