Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Após 19 meses do início da pandemia, o varejo paranaense passou por transformações, mas o otimismo com a retomada da economia é cada vez maior. É o que constata uma pesquisa realizada pela Faciap (Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado do Paraná) e a ACIL (Associação Comercial e Industrial de Londrina), ouvindo 386 comerciantes de todo o Estado, entre 23 de agosto a 8 de setembro, para entender e mensurar os principais impactos, além de identificar as perspectivas para o futuro.

Os números mostram que, em Londrina, 26,67% dos entrevistados expandiram o seu negócio em meio à pandemia. A média paranaense é de 31,61%.

A inovação, palavra de ordem dos últimos tempos, ganhou espaço no Paraná: 80,05% implantaram pagamento via PIX ou outros meios digitais; 73,32% passaram apostar na divulgação em redes sociais; 72,28% aumentaram a utilização de transações por meio do WhatsApp; 48,96% implantaram serviço de entrega; 39,38% ampliaram os canais de comercialização; e 30,57% precisaram adequar o modelo de trabalho presencial para remoto ou híbrido. Para apenas 13,73% não houve necessidade de adequações.

Os empresários paranaenses tiveram que encontrar novas formas de se relacionar com os clientes e comercializar seus produtos e/ou serviços. Desse modo, 69,43% dos entrevistados venderam por meios tradicionais como o telefone; 69,17% passaram a vender pelo WhatsApp e 50% por e-mail. Para divulgação, 84,20% apostaram no WhatsApp; 77,46% no Facebook e 70,98% no Instagram.

 “Todas as inovações implementadas nesses últimos meses permitiram que os comerciantes permanecessem ativos - mesmo que de forma limitada - e alguns até crescessem. Agora que estamos já próximos de um cenário mais favorável para os negócios, graças ao avanço da vacinação e de medidas mais flexíveis de combate à pandemia, as ações incorporadas podem contribuir para uma retomada mais assertiva e acelerada”, destaca a presidente da ACIL, Marcia Manfrin. 

Com perspectivas positivas, os empresários paranaenses vislumbram estratégias para driblar os impactos negativos: 62% pretendem ampliar o negócio de alguma forma. Destes, 29% vão aumentar o estoque ou o leque de serviços; 22% pretendem reformar estruturas e abrir nova unidade e 11% pretendem ampliar o número de funcionários.

Mas para colocar as ações em prática, destacam depender de decisões do poder público e órgãos competentes, já que 43% pedem linhas de crédito facilitadas, 37% reivindicam auxílio com impostos através de reduções ou parcelamentos e 36% solicitam a revisão das regras de distanciamento social.

A pesquisa foi realizada pela empresa Solucz - Soluções Inteligentes em Curitiba, Londrina, Maringá, Cascavel, Guarapuava, Ponta Grossa e Francisco Beltrão. A margem de erro é de 5%, considerando grau de confiança de 95%.

Juliana Felis/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.