Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Crescimento foi de 7,5 pontos em relação a setembro de 2018, revela pesquisa da Fiep

Pelo terceiro mês seguido, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI), divulgado pela Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), registrou alta e chegou a 59,6 pontos. Houve crescimento significativo em relação ao mesmo período do ano anterior. Em setembro de 2018, o valor foi de 52,1 pontos. No mês passado, o resultado do ICEI foi de 59,4 pontos. O resultado no Paraná está alinhado aos dados nacionais divulgados nesta quinta (18/9), pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), em que o ICEI somou 59,4 pontos, mantendo-se estável em relação a agosto.

O ICEI varia de zero a 100 pontos e está acima dos 50, na área de otimismo. Ao decompor o indicador, observa-se que o índice de condições, que avalia a economia e a empresa nos últimos seis meses, e estava abaixo dos 50% até agosto, na área de pessimismo, cresceu 2,5 pontos. Chegou a 52,4, na faixa de otimismo. Já o de expectativas, que faz a mesma projeção para o futuro, teve ligeira queda, saindo de 64,1 para 63,2 pontos, ainda bem acima dos 50 pontos.

De acordo com o economista da Fiep, Evânio Felippe, o resultado está atrelado a uma melhora no cenário econômico. “A expectativa de redução na taxa de juros confirmada na última reunião do Banco Central, de 6% para 5,5% ao ano, além de avanços nas reformas da Previdência e Tributária, em Brasília, influenciaram positivamente a opinião do empresário em setembro”, justifica.

A previsão de inflação divulgada no último Boletim Focus, do Banco Central, de 3,45% para 2019, e de 3,80% para 2020, abaixo das metas do Governo, que eram de 4,25 e 4%, respectivamente, também impactam na indústria. “A redução da taxa torna mais atrativa a realização de investimentos por parte do empresário porque os custos dos empréstimos tendem a ficar mais baixos. E isso é um incentivo a mais para o crescimento da atividade industrial”, explica.

Por ser um período de maior consumo na economia, o segundo semestre tem impacto significativo na indústria. “A liberação de parte do FGTS é um ingrediente extra que pode contribuir para aquecer as vendas no varejo. Isso sinaliza que a produção na indústria tende a aumentar para abastecer a demanda do mercado interno e isso se reflete numa percepção mais otimista do empresário”, reforça.

Apesar do terceiro mês de crescimento no indicador de confiança, o ritmo ainda está abaixo do esperado. O pequeno crescimento do PIB no ano passado, de 1,1%, e o previsto para este ano, de 0,87%, têm reflexos no setor produtivo. “Há um certo receio do empresário, tanto em relação à retomada dos investimentos quanto para criação de novos postos de trabalho, em função da lentidão na recuperação da atividade econômica brasileira. Se a economia não deslanchou, o industrial aguarda o melhor momento rever seu planejamento. Um aprendizado que faz parte do processo de recuperação da última crise, o que é natural”, comenta.

Sondagem

A divulgação da Sondagem Industrial de agosto é uma confirmação dessa tendência conservadora do empresário. Sessenta e cinco por cento das empresas paranaenses que participaram da pesquisa mensal da CNI revelaram que pretendem manter o número de empregos atuais. E 47,5%, menos da metade, estimam aumento na demanda por produtos nos próximos seis meses.

No mesmo estudo, somente 38% revelou ter intenção de fazer novos investimentos, e apenas 37,5% preveem aumentar a compra de matéria-prima, o que poderia indicar aumento de produção.

Para o presidente do Sistema Fiep, Edson Campagnolo, o otimismo mais efetivo do empresário virá quando ele tiver convicção de que o ambiente de negócios realmente está mais favorável. “Além do que já vem sendo feito, como a redução dos juros e a aprovação da Reforma da Previdência, a racionalização dos impostos, prevista na proposta de Reforma Tributária, pode contribuir para que o empresário tenha mais segurança de suas obrigações fiscais e legais. Só assim poderá melhorar processos internos, otimizar tempo e custos com questões tributárias e ter condições mais propícias para retomar os investimentos e criar novos empregos”, avalia.

Asimp/Fiep

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.