Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Se 2019 foi o ano da Reforma da Previdência, 2021 vai exigir total empenho político para levar o Brasil rumo a uma economia mais próspera

Se a situação das contas públicas brasileiras já era grave, com a pandemia que pegou o mundo de surpresa, este cenário se tornou quase caótico. A base de arrecadação de impostos despencou e os gastos do Governo Federal, principalmente com auxílio emergencial, aumentaram muito. Agora, faltando menos de um mês para o final do ano, economistas de todo o país enfatizam a necessidade urgente de uma reforma que reduza os gastos do Estado.

Se 2019 foi o ano da Reforma da Previdência, 2021 vai exigir total empenho político para embarcarmos rumo a uma economia mais próspera. “A Reforma Administrativa que o Governo enviou para o Congresso é muito tímida, afetando somente os funcionários públicos que ainda vão ingressar no serviço público, e isso não basta”, aponta Robson Gonçalves, professor de Economia dos cursos de MBA do FGV/ISAE. Segundo o especialista, se não forem tomadas medidas eficazes para preservar o teto de gastos, a possibilidade de a inflação voltar ao Brasil, por conta da necessidade de emissão monetária, é muito alta.

Para que uma reforma seja feita abrangendo os funcionários públicos da ativa, é necessária uma emenda constitucional. Contudo, o Governo ainda não se mostrou aberto para aprovar as propostas já em trâmite no Congresso. “Já passou da hora do Governo olhar com zelo à agenda econômica nacional e executar planos de ação concretos”, diz. “De todas as reformas que já deveriam ter sido feitas há muito tempo, a de redução dos gastos do Estado se tornou prioritária e urgente”, complementa Robson Gonçalves.

Fernanda Glinka/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.