Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Governador Beto Richa anuncia um crescimento de 4,6% para o Produto Interno Bruto (PIB) do Paraná neste ano, durante reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social do Paraná (Cedes).
 
AEN
 
O governador Beto Richa anunciou nesta terça-feira (03/12) um crescimento de 4,6% para o Produto Interno Bruto (PIB) do Paraná neste ano. Durante reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social do Paraná (Cedes), realizada no Palácio Iguaçu, Richa destacou que o bom ambiente de negócios contribuiu para puxar a taxa paranaense.

“Vivemos um momento histórico, com grandes investimentos industriais e criação de milhares de novos empregos em todos os setores. Aliado a isso, o agronegócio, que é o motor da nossa economia, demonstra toda a sua capacidade, batendo recorde de produção”, disse o governador Beto Richa.

O índice calculado pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes) mostra a expansão do PIB de janeiro a setembro de 2013, em comparação com igual período de 2012. No País, a variação foi de 2,4% no mesmo espaço de tempo, de acordo com estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O economista Francisco José Gouveia de Castro, do Ipardes, confirma que a maior intensidade de crescimento da economia paranaense em relação à média brasileira pode ser atribuída à forte recuperação da renda do agronegócio, a vitalidade do mercado de trabalho e à produção industrial.

Setores
 
Na agricultura, os preços internacionais favoreceram o setor. Além disso, o Estado colheu uma safra recorde de verão em 2013. Foram colhidas mais de 23 milhões de toneladas - 31% maior que a do ano anterior.

Na indústria, a produção do Estado, medida pela Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física (PIM-PF), do IBGE, cresceu 4% entre janeiro e setembro de 2013 sobre o mesmo período de 2012. No País, o índice ficou positivo em 1,6%.

Três segmentos industriais apresentaram crescimento destacado no Paraná, puxados pelos bons resultados da agropecuária. A fabricação de veículos teve alta de 15,5% - especialmente pela maior produção de caminhões. No ramo de máquinas e equipamentos a alta foi de 15,1%, enquanto a área de produtos químicos teve acréscimo de 14,2%.

No comércio, o faturamento real (com dedução da inflação) do varejo no Paraná registrou ampliação de 6,8%, entre janeiro e setembro de 2013. Neste setor, o aumento das vendas de combustíveis (11%) e veículos (8,8%) foi influenciado pelo aumento da renda no campo.

Em razão do aquecimento do emprego e da renda dos paranaenses, houve altas expressivas no comércio de produtos farmacêuticos e de perfumaria (10,5%), artigos de utilização doméstica (10,1%), eletrodomésticos (9,4%), livros, jornais e revistas (8,2%) e material de construção (7,5%).

Emprego
 
De acordo com o IBGE, o efetivo de mão de obra da indústria do Paraná cresceu por 41 meses sem interrupção, entre março de 2010 e julho de 2013. Mesmo com os declínios de constatados em agosto e setembro, o emprego fabril paranaense ficou posito em 0,5% no ano.

Além disso, as estatísticas do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), mostram que o Paraná foi o terceiro maior gerador de ocupações com carteira assinada no País janeiro e outubro de 2013, respondendo por 8,6% das vagas líquidas abertas, ficando atrás somente de São Paulo (29,8%) e Minas Gerais (10,2%).

“É igualmente fácil notar um pronunciado componente de interiorização nos fluxos incrementais do fator trabalho no Estado, retratado na participação de 92,1% do interior no volume de postos formais criados no setor industrial - que exibe remunerações em média 40% superiores aos demais setores”, analisa o economista do Ipardes.

Segundo ele, desde 2011 a contribuição dos municípios do interior no emprego industrial foi de 82%, contra 67,8% no intervalo 2003-2010. “Ressalte-se que o acréscimo do pessoal ocupado com carteira assinada na indústria no interior vem acontecendo sem a perda de embalo da Região Metropolitana de Curitiba, tem a menor taxa de desemprego do País”, afirma Gouveia de Castro.

2014
 
Para o economista Francisco José Gouveia de Castro, o Paraná deve manter a boa performance em 2014 com base na recuperação da produção e rentabilidade do agronegócio; maturação da carteira de mais de R$ 26 bilhões de empreendimentos do programa Paraná Competitivo; e impulsão dos investimentos em obras de infraestrutura.
 
 

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.