Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A Copel deve reduzir em pelo menos 11,5% a tarifa de energia em junho, anunciou nesta quarta-feira (23) o governador Beto Richa. A empresa já encaminhou seus contratos para a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para iniciar a revisão tarifária que definirá o índice a ser aplicado neste ano. 

A planilha ainda vai ser analisada pelo Conselho de Consumidores da Copel e pela Aneel e também será debatida em audiência pública em abril. Somente após essas etapas haverá a definição do índice a ser aplicado em 24 de junho. 

“É uma ótima notícia para todos os paranaenses. Alinhada à política de desenvolvimento do Paraná, a Copel tem feito sua parte para garantir um serviço de qualidade, buscando sempre aumentar a eficiência e contribuir para uma tarifa justa”, disse o governador. 

Além da redução em junho, a conta de luz dos paranaenses também teve redução nas bandeiras tarifárias, cobrança adicional criada pela Aneel no ano passado para compensar o uso de usinas térmicas. As chuvas dos últimos meses e o aumento do nível dos reservatórios contribuíram para que, em fevereiro e março deste ano, houvesse uma redução no valor das bandeiras tarifárias. 

REDUÇÃO DAS BANDEIRAS - Em vigor desde janeiro de 2015, o sistema de bandeiras tarifárias foi criado para sinalizar ao consumidor o custo da geração de energia no país ? mais caro quando há redução no nível dos reservatórios das hidrelétricas e necessidade de uso das usinas térmicas. As cores das bandeiras (verde, amarela ou vermelha) indicam se a energia custará mais ou menos em função das condições de geração de eletricidade. 

Desde que o sistema foi criado até janeiro de 2016, estava em vigor a bandeira vermelha, que indica o cenário mais desfavorável, com um acréscimo de R$ 4,50 para cada 100 quilowatt-hora (kWh) consumidos. Em fevereiro deste ano, a bandeira vermelha foi dividida em dois patamares e foi aplicado o patamar 1, que reduziu para R$ 3 a taxa adicional. 

Em março, pela primeira vez começou a vigorar a bandeira amarela, reduzindo ainda mais, para R$ 1,50, o valor cobrado para cada para cada 100 kWh consumidos. Para abril, a expectativa é de que a bandeira passe a ser verde, quando não há cobrança adicional. 

Somente a alteração das bandeiras tarifárias de fevereiro a abril deve causar uma redução média de 6% no valor pago na conta de energia neste ano, além da probabilidade da redução ainda maior em junho com a revisão tarifária da Copel. 

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.