Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Resolução do Banco Central do Brasil autoriza instituições financeiras cooperativas a gerir recursos de entes públicos. Centenas de cidades podem ser beneficiadas

A partir da Lei Complementar 161 de janeiro de 2018 e a Resolução 4.659 publicada pelo Banco Central do Brasil (BCB) em abril de 2018, prefeituras, órgãos dependentes e empresas controladas por elas foram autorizadas a movimentar e gerir recursos junto às instituições financeiras cooperativas, como o Sicredi. Antes da Lei Complementar, as transações de prefeituras só podiam ser realizadas por meio de bancos oficiais com controle parcial ou total do governo.

A operacionalização da relação entre cooperativas de crédito e prefeituras ainda está sendo estudada e desenvolvida, mas já representa um grande avanço na área. Isso porque, em centenas de cidades do País, as cooperativas de crédito são as únicas instituições financeiras presentes. “Em mais de 200 municípios brasileiros o Sicredi é a única instituição financeira em atividade. Mais do que oferecer uma alternativa de serviços financeiros, esse passo representa para muitas cidades um melhor desenvolvimento econômico, já que prefeituras e servidores públicos não precisarão mais depender do deslocamento para outras cidades para ter acesso aos serviços financeiros”, explica o presidente da Sicredi União PR/SP, Wellington Ferreira.

Outro benefício desta relação está diretamente ligado à comunidade, já que as cooperativas de crédito têm como foco impactar positivamente as regiões onde está presente. Os resultados positivos gerados pela movimentação financeira nas cooperativas retornam ao associado e, por consequência, para a comunidade onde ele vive. "É como um ciclo virtuoso: o recurso captado numa praça é reinvestido na mesma região, dinamizando a economia local. Imagine que hoje, em centenas de locais do País, servidores públicos são obrigados a se deslocar para outros lugares para sacarem seus salários, pois a prefeitura não pode ter a conta numa instituição financeira cooperativa. Uma parte deste recurso acaba sendo utilizado na cidade em que foi sacado, é uma tendência natural das pessoas. Agora, sem esta restrição, vamos possibilitar que os recursos potencializem ainda mais a economia local", destaca Ferreira.

Presente em 22 estados e no Distrito Federal, com mais de 1.500 agências e 3,7 milhões de associados, o Sicredi fechou 2017 com crescimento de 20%, e um resultado de R$ 2,35 bilhões. Para 2018, a previsão de crescimento permanece em 20%, além de um investimento de R$ 404 milhões durante o ano, para abertura de agências e modernização de sistemas.

Sicredi/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios