Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A jovem Isadora Schimiti Voltarelli, aluna do 4º ano de Arquitetura e Urbanismo da UniFil, foi a única estudante do Brasil selecionada para intercâmbio na "Chalmers University of Technology", na Suécia. Durante uma semana, em maio, ela participou em Gotemburgo e Estocolmo de atividades relacionadas à arquitetura, design e diversos setores da engenharia, tudo sob o enfoque da sustentabilidade.

Mais de 12 mil estudantes de todo o mundo concorreram ao concurso Chalmers Global Challenge 2017 e apenas seis foram aprovados. A aluna da UniFil conquistou uma vaga juntamente com acadêmicos de diferentes áreas de Engenharias, de quatro países: Colômbia, Grécia, Índia e Indonésia (dois selecionados). Outro destaque na performance de Isadora: foi a única aprovada entre milhares de inscritos de instituições privadas de ensino superior.

“A Chalmers me fez acreditar em um mundo melhor, mais sustentável. Conheci pessoas preocupadas com o futuro, engajadas em buscar soluções para a escassez de água, em combater a poluição e melhorar a qualidade de vida da população. Conheci profissionais extremamente qualificados que me fizeram refletir sobre a minha missão como estudante de arquitetura. Todos os alunos que ingressam na universidade devem responder à seguinte questão: Como você contribuirá para um mundo melhor?” – descreve a intercambista, em relatório aos professores de Arquitetura e Urbanismo da UniFil.

Isadora conta que a universidade valoriza ideias dos alunos e se esforça para colocá-las em prática. “Os estudantes participam ativamente de projetos públicos e privados. O ambiente é extremamente estimulante”, ressalta. A interação da ciência com a sustentabilidade também ficou bem evidente na visita ao prédio “Science Park”, onde os intercambistas refletiram sobre problemas que no entender de pesquisadores suecos precisam ser resolvidos antes de 2050, como o desperdício de água, de alimentos e a poluição.

A aluna de Arquitetura diz que a questão do lixo é tratada com muito rigor na Suécia: na coleta, se os rejeitos orgânicos não estiverem de acordo com as especificações do governo, não são recolhidos. Além disso, como contribuintes pagam taxa de recolhimento proporcional à quantidade que produzem, controlam a geração do próprio lixo. Na universidade, ela conheceu olaboratório que produz a própria energia com os resíduos gerados na universidade.

Outra visita foi ao laboratório de nanotecnologia, onde alunos desenvolvem produtos em colaboração com diversas empresas como Sony Ericsson e Canon. “Passamos por quatro fases de limpeza no chamado clean room. Há todo um sistema para não entrar poeira e as estruturas são todas anti-impacto”, relata. Na área de mecânica, a universidade é parceira da Volvo, que fica em Gotemburgo, e os estudantes produzem peças, painéis, carros de kart, simuladores para a empresa de veículos.

Isadora teve ainda a oportunidade de se deslocar pela cidade no ônibus elétrico desenvolvido por alunos da Chalmes. “É muito silencioso, possui wifi e carregador em todos os bancos.” Numa palestra sobre náutica, testou simuladores de navios criados na universidade. Também visitou parques e arquipélago, além de passear em Gotemburgo e Estocolmo. “Foi uma experiência maravilhosa, pude conhecer sobre culturas completamente diferentes da nossa. Gotemburgo é a cidade dos sonhos, é incrível como o transporte público, o respeito entre as pessoas, a qualidade de vida e a educação funcionam perfeitamente”, declara.

Divulgação/UniFil

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios