Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Durante cerimônia, será feita a entrega de certificados e de uma lembrança para todos os formandos

Para encerrar um ciclo de aprendizagens e de muita força de vontade daqueles que não tiveram a oportunidade de estudar no tempo convencional, nesta sexta-feira (14), às 19 horas, a Prefeitura de Londrina, por meio da Secretaria Municipal de Educação (SME), vai realizar a formatura de 90 adultos que participaram da Educação de Jovens e Adultos (EJA). A formatura será na sede da Igreja do Evangelho Quadrangular, na Travessa Belo Horizonte, 90, esquina com Rua Paraíba, no Centro.

Na cerimônia haverá apresentação de uma dupla que tocará músicas antigas com sanfona e do Coral do SESC. Também será feita a entrega de certificados e de uma lembrança para todos os formandos e juntos eles poderão rever os melhores momentos dos anos de estudo, durante a apresentação de um vídeo especial. Os alunos mais velhos do curso também receberão uma surpresa especial. “Nossa intenção é fazer um momento que eles guardem na memória, um dia especial, pois para muitos essa será a primeira e a única formatura que terão”, explicou a coordenadora da EJA, Déborah Flora dos Santos.

Os organizadores também prepararam uma surpresa para a aluna mais velha e para o mais novo deste ano. São eles: a dona Miltes Magalhães da Silva, 72 anos, aluna da professora Edilene Maria da Silva Martins, no Centro de Convivência do Idoso da Região Leste (CCI Leste), e Caique da Silva Noronha, de 15 anos, aluno da professora Fernanda Ramos Guelere, do CEEBJA Herbert de Souza.

Até hoje, o educando mais velho do EJA de Londrina foi o ex-funcionário da Terras Norte do Paraná, o senhor de 98 anos chamado Porfírio. Mesmo hospitalizado, ele pediu para continuar frequentando as aulas, e, para tornar isso possível, os professores da EJA obtiveram autorização médica e foram ministrá-las no próprio hospital. Ao final do curso, o educando recebeu uma homenagem com vídeos de seus filhos e parentes de Minas Gerais e de São Paulo. “É nosso papel educar, não podemos deixar de fazer isso. É para nós é um orgulho podermos ensinar e fazer a diferença na vida de cada pessoa”, explicou a ex-professora
dele e atual coordenadora da EJA.

Sobre a EJA

Em Londrina, 900 pessoas participam da alfabetização para jovens e adultos. Eles estão divididos em 40 unidades escolares, entre escolas municipais, Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs) e Centros de Educação Infantil (CEIs) que ofertam o serviço. Além disso, há aulas no Centro de Convivência do Idoso da Região Leste (CCI Leste), na Escola do Campo (assentamento do Eli Vivi I e II) e no Centro POP, atendendo a população em situação de rua.

Os refugiados jovens e adultos também podem participar da alfabetização em três etapas, ou seja, três anos, com as aulas que acontecem na Escola Municipal Mari Carrera Bueno (Caic da zona oeste). Em 2019, haverá também aulas no período matutino no CCI da Região Norte de Londrina, que foi inaugurado no último dia 10 e fica na na Rua Luís Brugin, 570, esquina com a Avenida Saul Elkind.

Ao todo, a alfabetização em anos iniciais, do 1º ao 5º ano, têm uma carga horário de mil horas, subdivididas entre alfabetização (500 horas) e pós-alfabetização (500 horas), que devem ser feitas em, no mínimo, dois anos. Durante todo o curso, os alunos recebem o material didático necessário e um lanche gratuito. Nas aulas, eles aprendem os conhecimentos de matemática, língua portuguesa, geografia e história, estudos da natureza, identidade e cultura, entre outras.

Todo o processo de ensino e aprendizagem da EJA leva em consideração a vivência do aluno, adequando a forma de ensinar às características, interesses, condições de vida e de trabalho dos alunos. Por isso, os educandos podem sugerir, de forma democrática, conteúdos que gostariam de aprender, como qualidade de vida e a prática da atividade física, expressão corporal e cultural, produção de materiais recicláveis, cuidados com a higiene pessoal e outros. “Todo o conteúdo é pensado de forma estratégica, para que se faça um trabalho significativo para os educandos, ensinando os fundamentos científicos e filosóficos com o conhecimento de vida que eles trazem. A essência do trabalho é o processo educativo, a formação do ser humano como um todo, como um ser social, com sonhos e experiências”, finalizou coordenadora da EJA.

Como participar

Os jovens e adultos, com mais de 15 anos, que desejam voltar a estudar podem procurar a unidade escolar mais próxima de sua residência para fazer a matrícula. Caso a escola, CMEI ou CEI não oferte os serviços indicará a sede mais próxima da residência do interessado.

A matrícula é feita durante o ano inteiro e as aulas começam de imediato. Para se matricular é preciso ter em mãos os documentos pessoais, como o RG e o CPF, e uma cópia deles, assim como a carteirinha de vacinação e um comprovante de residência atualizado (que pode ser uma conta de luz, água ou de telefone). Aqueles que tiverem dúvidas podem telefonar para (43) 3375-0215 ou (43) 3375-0216.

Unidades escolares que ofertam EJA

Atualmente ofertam o serviço o: CEEBJA Herbert De Souza, Escola Municipal  América Sabino Coimbra, E.M. Aristeu dos Santos Ribas, Atanázio Leonel, Carlos Kraemer, Claudio de Almeida e Silva, Dr. David Dequech, Elias Kauam, Eugênio Brugin, Eurides Cunha, Francisco Pereira de Almeida Junior, Senador Gaspar Velloso, Ignez Corso Andreazza, Irene Aparecida da Silva, Joaquim Vicente de Castro, José Garcia Villar, Jovita Kaiser, Mábio Gonçalves Palhano, Professora Mari Carrera Bueno, CAIC José Joffily, Maria Cândida Peixoto Salles, Maria Carmelita Vilela Magalhães, Maria Irene Vicentini Theodoro, Moacyr Teixeira, Nina Gardemann, Noêmia Alaver Garcia Malanga, Osvaldo Cruz, Pedro Vergara Correa, Ruth Ferreira de Souza, Salim Aboriham, Zumbi dos Palmares, CAIC Dolly Jess Torresin, Centro de Convivência da Região Leste, Centro Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua (Centro POP).

Além desses, outras unidades também oferecem, como a Escola Municipal Bento Munhoz da Rocha Netto, Francisco Aquino Toledo, John Kennedy, Luiz Marques Castelo, Escola do Campo Trabalho e Saber, Egidio Brunetto, Nara Manella e José Garcia Villar. Novas turmas devem ser abertas nas seguintes unidades: Escola Municipal Tereza Canhadas Bertan, CCI Norte (Escola vinculadora Moacyr Teixeira) e no CEEBJA Herbert de Souza (Escola vinculadora Eurides Cunha).

Ana Paula Hedler/NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios