Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A Prefeitura de Cambé, por meio das Secretarias de Trabalho, de Educação e de Cultura, lançou na sexta-feira (23) o Programa Educa Trabalhador. Esse programa é uma parceria do município de Cambé com o Sesi/Senai e possibilita que os cambeenses – com no mínimo 15 anos – concluam os estudos através da Educação de Jovens e Adultos (EJA) na modalidade remota. As matrículas começam hoje (26) e as aulas da primeira turma já no dia 15 de maio.

Segundo o secretário de Trabalho, José Aparecido Rolim, as inscrições devem ser feitas na Agência do Trabalhador de Cambé (Avenida Inglaterra, 774 – Centro) e os interessados devem levar os seguintes documentos: foto 3x4; cópia comprovante endereço; cópia RG e CPF; certidão de nascimento ou casamento; histórico escolar da fase II (5° a 8° série); e histórico escolar do ensino médio. “A nossa intenção é que todo mundo que quiser concluir os estudos venha conversar com a gente aqui no Sine. Se alguém não tiver algum documento, nós vamos auxiliar em todos os processos. A ideia é não deixar ninguém de fora”, ressalta o secretário. Segundo Rolim, as inscrições vão ser contínuas e a cada mês novas turmas vão ser abertas.

Rolim ainda esclarece que o Programa Educa vai estar disponível para quem precisa terminar o Ensino Fundamental I (1° ao 5° ano), o Ensino Fundamental II (6° ao 9° ano) e o Ensino Médio (1° ao 3° ano). “Para concluir o Ensino Fundamental, o aluno vai precisar de um ano, para o Ensino Médio vão ser dois anos até a conclusão”, explica. Ele ainda ressalta que ao término das aulas, o aluno vai receber um certificado de conclusão fornecido pelo Sesi e com validação no Ministério da Educação. “A respeito das aulas, elas vão ser todas online e o aluno é quem vai administrar seus horários e períodos de estudo, pois todas as atividades vão ter um prazo para serem finalizadas”, pontua.

Segundo José Aparecido Rolim, o Programa Educa Trabalhador é de extrema importância, pois vai contribuir para a colocação dos trabalhadores desempregados no mundo do trabalho. “Acredito que também vai colaborar para possível progressão das pessoas nas empresas, visto que o trabalhador estará mais qualificado para acessar as vagas e se recolocar no mercado de trabalho”, conclui o secretário.

A secretária de Educação de Cambé, Estela Camata, ressaltou a importância do Educa Trabalhador. “O projeto tem um olhar para a necessidade atual de atender aqueles que ainda não concluíram seus estudos, instrumentalizando-os na busca de seus sonhos, seja para obter escolaridade desejada, como na capacitação profissional almejada”, define.

O coordenador de Educação do Sesi em Londrina, João Paulo Alves Silva, ressalta a diferença que faz no mercado de trabalho o nível de escolaridade do trabalhador. “Já é sabido que a pessoa que tem um nível de escolaridade maior, o salário também tende a ser maior. A educação é a ponte para trazer tanto o desenvolvimento pessoal como o da cidade”, salienta. Segundo a gerente do Sesi em Londrina, Lucilene Tomé, o mercado de trabalho é muito competitivo e esse curso vem para desenvolver o cidadão que não teve oportunidade de concluir a educação básica ou ter acesso a um curso profissionalizante. Ela ressalta a parceria com a prefeitura de Cambé neste projeto. “A Prefeitura de Cambé abriu as portas para o projeto, enxergou ele como um diferencial, um desenvolvedor para o cidadão e buscou alternativas para implantar o projeto de forma facilitada e bastante abrangente”, reforça.

Cristiane Rissato, responsável do Senai pelo atendimento às empresas, pontua que após uma reunião com a Secretaria do Trabalho foi discutida a necessidade de ter uma mão de obra mais qualificada no município. “Então nós tivemos essa ideia de melhorar o perfil das pessoas, melhorando também a empregabilidade dos cambeenses”, conclui.

Para o prefeito Conrado Scheller, esta é uma oportunidade de levar não somente conhecimento, cidadania, aumentar a autoestima e proporcionar, quem sabe, uma empregabilidade melhor a estas pessoas. “A gente não sabe a dificuldade que cada um tem e o motivo pelo qual não conseguiu completar os estudos. Mas sabemos que é nosso papel proporcionar uma segunda chance a eles de forma que resgatem sua autoestima e possam se orgulhar de que conseguiram concluir a escolaridade e podem sonhar com um emprego melhor”, afirma Scheller.

NCPMC

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.