Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

45% das crianças de zero a cinco anos de Londrina estão matriculadas no ensino infantil, superando o índice brasileiro que é de 30%

A Central de Vagas da Secretaria Municipal de Educação (SME), serviço que faz a triagem e encaminhamento de crianças para creches públicas e conveniadas de Londrina, vem contribuindo para ampliar o acesso à educação infantil no município. Implantada em 2017, a iniciativa informatizou e centralizou o sistema de vagas, o que facilitou consideravelmente os processos de cadastramento e matrículas de alunos.

Segundo a gerente da Central de Vagas da SME, Hylceya Ferreira, 12 mil crianças estavam na lista de espera para vagas no ensino municipal antes da implantação da iniciativa. Porém, com a criação da Central e a informatização do sistema, a Secretaria de Educação constatou que a lista continha diversos erros como nomes repetidos e, ao corrigir a base de dados, o número de crianças em espera diminuiu para pouco mais de três mil. Com base em informações corretas, tanto o processo de matrícula das crianças quanto o planejamento de ações da Secretaria de Educação ganharam muito mais agilidade. “Através da Central de Vagas, nós conseguimos identificar quais são as regiões do município com o maior déficit de vagas. Isso resultou, por exemplo, na construção de cinco creches que foram entregues neste ano. Vamos inaugurar mais uma unidade no início de 2021 e estamos construindo outra creche na região sul”, frisou.

Entre 2017 e 2020, a porcentagem de crianças de zero a cinco anos matriculadas na educação infantil de Londrina subiu de 35% para 45%. A taxa londrinense supera o índice brasileiro, que é de 30%. O objetivo da Secretaria de Educação é fazer com que 50% das crianças de zero a cinco anos do município estejam matriculadas no ensino infantil até 2024, respeitando a meta estabelecida pelo Plano Decenal de Educação.

Com a ampliação do acesso ao ensino, o número de ações do Ministério Público (MP) para a abertura de vagas em creches de Londrina caiu de 600 em 2016 para apenas três em 2020. Hylceya explicou que a Central de Vagas atua em parceria com organizações como o próprio MP, o Conselho Tutelar, a Vara da Infância e Juventude e o Programa Família Acolhedora, entre outras. “A prioridade para as matrículas é das crianças cujas famílias estejam em situação de vulnerabilidade social. A Central conta com uma assistente social que tem a função de atender especificamente essas famílias”, ressaltou.

Para facilitar ainda mais os processos de cadastramento e matrícula, a Central de Vagas contará com uma novidade. A partir de outubro, os pais e responsáveis pelas crianças do município poderão agendar o atendimento na Central através da internet. Atualmente, isso só pode ser feito pelo telefone ou presencialmente. “Ao facilitar o acesso ao ensino, nós estamos contribuindo para o desenvolvimento da criança em um ambiente seguro e promovendo a socialização e desenvolvimento global. Isso gera benefícios para toda a sociedade”, resumiu Hylceya.

Reconhecimento

O trabalho realizado pela Central de Vagas da SME vem recebendo diversos prêmios, incluindo o Prêmio Espírito Público no Brasil, na categoria Educação, concedido pelo Instituto República e pela Agenda Brasil do Futuro; o primeiro lugar no “Prêmio Boas Práticas da Administração Pública”, promovido pelo Observatório de Gestão Pública de Londrina; e o reconhecimento pela Fundação Abrinq como um dos 17 melhores projetos de Boas Práticas, concorrendo com 134 municípios do Brasil. Na última quinta-feira (10), em artigo publicado pela Folha de S. Paulo, o ex-secretário municipal da Educação de São Paulo e professor adjunto da Universidade Columbia em Nova York, Alexandre Schneider, elogiou a Central de Vagas e o trabalho realizado pela Prefeitura de Londrina na área da educação infantil.

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios