Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A cada 12 de maio, quando se comemora o Dia Internacional da Enfermagem, em referência ao aniversário de Florence Nightingale – fundadora da enfermagem moderna –, uma das mais nobres funções da profissão é esquecida, a de formar enfermeiros. Muito além de auxiliar médicos, como era conhecida, a missão de ser enfermeiro cresceu e conquistou seu espaço, passando a representar uma série de atividades, entre elas, a docência. No esteio de celebrar sua importância, o curso de Enfermagem da Universidade Estadual de Londrina (UEL), decidiu registrar em livro a história dos 50 anos de dedicação à formação dos profissionais que atuam com excelência no mercado de trabalho. A publicação, em produção pelo jornalista Fábio Luporini, deve ser lançada em 2022.

 “Ensinar é uma missão para poucos, ao mesmo tempo, é uma grande alegria. E isso também acontece na enfermagem. Mas, com um carinho especial, porque os futuros profissionais vão cuidar de pessoas”, ressalta a professora doutora Renata Perfeito Ribeiro, coordenadora do curso de Enfermagem da UEL. Ela está à frente da produção do livro que vai contar a história dos 50 anos do curso, criado em 1971 e implantado em 1972. “Nesse livro, vamos resgatar a história das pioneiras do nosso curso, professoras e profissionais dedicadas que levantaram bandeiras para vencer os desafios de cinco décadas atrás.”

Boa parte das entrevistas já foi realizada. O passo seguinte será selecionar as fotos, algumas das quais estão no Sistema de Arquivos da UEL. “Também estamos recebendo alguns patrocínios importantes para viabilizar a diagramação e publicação do livro. Além disso, como é um registro histórico e afetivo, as pessoas estão contribuindo comprando uma página do livro e já garantindo o seu exemplar”, explica Renata. Na linha narrativa, vão aparecer professores e projetos que ganharam o Brasil e tornaram a Enfermagem da UEL referência nacional e, até mesmo, internacional.

 “Como todo livro de memórias, há muitas histórias engraçadas, difíceis, tristes e de muita superação. É impressionante observar o trabalho que os enfermeiros/docentes pioneiros fizeram em Londrina”, ressalta o jornalista Fábio Luporini, que também é autor de outras duas biografias. Entre as histórias, por exemplo, está o fato de que as enfermeiras professoras da UEL coordenaram o trabalho pioneiro das hoje unidades básicas de saúde, quando elas ainda estavam sob responsabilidade da instituição, muito antes da municipalização dos serviços de saúde e anterior à criação do Sistema Único de Saúde (SUS).

Fábio Luporini/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.