Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A Secretaria Municipal de Educação (SME) iniciou na última segunda-feira (21) as etapas de Triagem de Acuidade Visual para a identificação de problemas visuais nos alunos do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental. Trata-se de um trabalho preventivo que tem como finalidade possibilitar a detecção precoce de dificuldades visuais entre os estudantes, agilizar o encaminhamento a exames médicos mais detalhados e facilitar o processo de ensino e aprendizagem nas escolas. A aplicação dos testes de acuidade ocorrem até o dia 30 de setembro, atendendo cerca de 31.513 alunos, de 84 escolas municipais, das áreas urbanas e rural.

Essa é a primeira vez que ação está sendo desenvolvida com amplo alcance na rede municipal. Após o término das triagens e a obtenção dos dados, a intenção da Secretaria é articular uma estratégia específica para fazer os encaminhamentos médicos necessários e ajudar a solucionar os problemas detectados. Para desenvolver os testes, aproximadamente 140 professores da rede foram capacitados na semana passada, em um curso promovido em parceria com o Instituto Roberto Miranda - Centro de Instrução, Reabilitação e Apoio a Necessidades Visuais de Londrina e região.

A Escola Municipal Maria Carmelita Vilela Magalhães, localizada no Jardim Mazzei (região sul), iniciou nesta semana a triagem de acuidade visual que irá atender, até o final do mês, os 450 alunos matriculados na instituição, envolvendo turmas de P4 até o 5º ano. Nesta unidade, a abrangência também inclui a educação infantil, pois lá o trabalho de triagem já era realizado anteriormente com essa faixa etária.

A coordenadora pedagógica da escola, Andréia Scatolin, responsável por aplicar o teste aos estudantes, ressaltou que a prática permite a identificação prévia de dificuldades visuais e colabora para evitar que as crianças em idade escolar tenham o seu aprendizado e rendimento escolar prejudicados por conta desses problemas. “Com base nos índices do teste, a escola pode agendar com mais rapidez um exame oftalmológico mais aprofundado para os alunos que apresentam dificuldade e que necessitem de óculos ou lentes corretivas, por exemplo”, explicou.

Andréia também ressaltou que, nas próprias salas de aula, muitas vezes os professores já conseguem observar que alguns alunos demonstram dificuldades para visualizar o quadro ou realizar atividades de leitura. “Alguns alunos chegam a reclamar e os professores percebem no dia a dia sinais como lacrimejamento, olhos vermelhos, dor de cabeça, testa franzida e inclinação do pescoço, que podem ser indicativos de problemas na visão. No primeiro semestre do ano, fizemos a triagem com alunos pequenos, do P4 ao 1º ano, e foram realizados dois encaminhamentos, sendo que uma das alunas agora já está usando óculos”, completou.

Por sua vez, a diretora Lúcia Solange Bueno, disse que o trabalho de triagem de acuidade visual é uma ferramenta muito útil para detectar os problemas de vista nas crianças. Nesse sentido, ela enfatizou que os testes beneficiam muitos alunos da rede municipal, principalmente aqueles cujas famílias têm poucas condições financeiras para custear uma consulta com especialista. “A escola sempre conversa com os pais dos alunos para que fiquem atentos às dificuldades de visão e aprendizado de seus filhos. O teste aplicado é uma maneira de atender esses alunos e garantir a realização de exames médicos, trazendo ganhos para as famílias, escolas e, principalmente, aos estudantes”, frisou.

Ação ampliada - O prazo para a Triagem de Acuidade Visual nas escolas municipais de Londrina, que encerraria em 31 de agosto, foi ampliado pela Secretaria Municipal de Educação até 30 de setembro.

De acordo com Cristiane Sola, da Gerência Educacional de Apoio Especializado da SME, a extensão do período foi feita para permitir que as escolas que possuem um maior número de alunos consigam preparar seus espaços de forma adequada e organizar melhor o cronograma para atender às demandas dos testes de visão. “Nesta ação que engloba a faixa do 1º ao 5º ano o objetivo principal é alcançar os alunos que nunca fizeram os testes antes. Já existe a orientação da Secretaria de Educação para que as escolas apliquem, no decorrer do ano letivo, os testes com os alunos que apresentam dificuldades visuais. As escolas fazem o encaminhamento às UBS do município”, contou.

Teste – Os professores da rede municipal que estão aplicando a triagem de acuidade visual foram capacitados para utilizar o teste pela tabela Snellen, que é mais utilizado para a avaliação da visão de longe, onde se verifica a nitidez de visão dos alunos pela leitura de letras de tamanhos diferentes dispostas em série. O mesmo teste também pode ser aplicado com o uso de figuras e símbolos fáceis, no caso das crianças que ainda não sabem ler.

N.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios