Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Chega ao Paraná a certificação criada pela Lei nº 9394/96, validada pelo Conselho Nacional de Educação, MEC e pelos conselhos de classe, para reconhecer a experiência e melhorar a vida de trabalhadores que não freqüentaram cursos técnicos, mas têm experiência comprovada em sua área de atuação

Estudar e garantir uma profissão por meio de seu diploma acadêmico nunca foi uma equação simples no Brasil. A pandemia – que logo completa um ano – veio acentuar as desigualdades e dificuldades da educação profissionalizante do país. Um levantamento do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper) revela que os jovens podem perder R$ 42,5 mil de renda se os conteúdos deste ano letivo não forem repostos e os estudantes seguirem para o mercado de trabalho com esses déficits. Já o sociólogo e membro da Academia Brasileira de Ciências, Simon Schwartzman afirma em artigo que – mesmo antes do coronavírus – o sistema de avaliação brasileiro, além de caro e obsoleto, não informava à sociedade quais eram os bons cursos, ou o destino de seus formados. Para o estudioso, não faria sentido o sistema educacional no Brasil voltar ao mesmo estágio que estava no final de 2019.

Mas já há, no Brasil, soluções embasadas na legislação, que propõem novas maneiras de ter acesso à certificação sem a obrigatoriedade de frequentar um curso. São as certificações por competência, um processo que comprova que profissionais com conhecimento técnico – mas sem esse diploma – têm conhecimento adquirido por sua experiência no mercado de trabalho. A lei permite dar reconhecimento a quem de fato conhece detalhes de atuação de uma determinada profissão por tê-la exercido por pelo menos dois anos. Os certificados também precisam ter o ensino médio completo e ter no mínimo 18 anos.

A Lei nº 9394/96 que cria a certificação por competência é consideravelmente recente no país. Sua divulgação se tornou mais expressiva quando o Instituto de Educação Tecnológica Avançada da Amazônia (Ietaam) passou a oferecer esse serviço, em 2016. De lá pra cá, mais de 5 mil profissionais já foram certificados pelo Ietaam, em 29 áreas técnicas, em todo o país. A certificação por competência não está vinculada à oferta de curso, conforme explica a parceira do Ietaam na regional sul, Juliane Cris Galvão. “É, de certa forma, uma ferramenta para a igualdade social. Quantos precisaram trabalhar e não tiveram tempo ou orçamento para estudar? E esses anos de experiência, se comprovados por documentos, podem ser a porta de entrada para uma certificação que vai criar oportunidades de carreira para tantos trabalhadores brasileiros”, afirma Galvão.

O processo dura no máximo três meses, é 100% online, e reconhecido pelo Conselho Nacional de Educação, pelo Sistema Nacional de Informações da Educação Profissional e Tecnológica (Sistec) do Ministério da Educação (MEC) e por todos os conselhos de classe.  “A Lei nº 9394/96 que autoriza o certificado por competência foi pouco divulgada pelo Ministério da Educação - possivelmente para manter a estrutura do sistema educacional profissionalizante – e, por ser pouco conhecida, muitas pessoas ainda ficam preocupadas com fraude. Infelizmente, o brasileiro está tão acostumado a ser ludibriado que há uma desconfiança quando algo bom e acessível surge para ajudá-lo. Mas a lei é pública e a certificação é muito simples e acessível financeiramente. Nosso papel é torná-la ainda mais conhecida e facilitar a vida dessas pessoas”, avalia Bruno Souza de Oliveira, parceiro do Ietaam que atende toda a região sul do país.

Os interessados são orientados a encaminhar a documentação comprobatória de sua experiência profissional de pelo menos dois anos. Com a análise de que a pessoa está apta a participar do processo, há uma segunda etapa, com uma prova teórica online. Somente se for aprovado, o candidato pagará pela taxa do processo e seu nome será cadastrado no site do MEC/Sistec, onde estão os registros de todos os profissionais técnicos. Com a certificação online, o novo técnico pode dar entrada em seu conselho de classe e pode participar de concursos públicos. Em poucos dias ele também recebe um certificado em sua casa.

No site tecnicoporcompetencia.com.br   há mais informações sobre o processo, que agora está disponível a todo o Paraná.

Conheça as 29 áreas certificadas pelo Ietaam:

- Técnico em Administração

- Técnico em Agente Comunitário

- Técnico em Agricultura

- Técnico em Agrimensura

- Técnico em Aquicultura

- Técnico em Automação Industrial

- Técnico em Construção Naval

- Técnico em Contabilidade

- Técnico em Edificações

- Técnico em Eletrônica

- Técnico em Eletrotécnica

- Técnico em Energias Renováveis

- Técnico em Enfermagem

- Técnico em Farmácia

- Técnico em Informática

- Técnico em Logística

- Técnico em Manutenção Automotiva

- Técnico em Mecânica

- Técnico em Mecatrônica

- Técnico em Meio Ambiente

- Técnico em Metalurgia

- Técnico em Mineração

- Técnico em Nutrição e Dietética

- Técnico em Petróleo e Gás

- Técnico em Prótese Dentária

- Técnico em Radiologia

- Técnico em Refrigeração e Climatização

- Técnico em Segurança do Trabalho

- Técnico em Telecomunicações

Denise Morini/Asimp

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.