Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Maioria dos entrevistados aprova qualidade do ensino remoto, permanece pagando em dia as mensalidades e não têm intenção de trocar de instituição; 8,5 mil pessoas responderam ao questionário enviado pelas escolas, creches e universidades privadas

Completando três meses do decreto estadual de caráter sanitário que determina a paralisação das aulas presenciais em todo o Paraná, como medida emergencial para o enfrentamento a pandemia de Covid-19, o Sinepe-PR elaborou uma pesquisa para ouvir pais e alunos das instituições de ensino particular sobre as aulas remotas, retorno do convívio presencial escolar e intenções pós-pandemia.

 “Essas informações certamente ajudarão os gestores do ensino particular a entender e planejar o futuro próximo.”, destaca a presidente do Sinepe-PR, Esther Cristina Pereira. Dos entrevistados, mais de 88% deles informou estar pagando as mensalidades das instituições em dia, 93% disseram não pretender trocar de instituições após a pandemia e 77% tem avaliação positiva em relação à qualidade das aulas não presenciais.

 “Na pesquisa entendemos o medo de muitos desses pais com relação à doença e a necessidade de que as aulas sejam retomadas o quanto antes para, por exemplo, esses 23% que certamente estão trabalhando e precisam de uma organização complexa para ter com quem deixar os filhos”, analisa a presidente.

Aulas remotas

O questionário “Cenários da Educação do Paraná em Tempos de Pandemia” foi respondido por aproximadamente 8,5 mil pessoas, das quais 95,4% estuda ou tem filhos na rede particular de ensino e 96,4% dos participantes disse estar recebendo materiais complementares para a realização de aulas não presenciais.

Um dos principais quesitos que a pesquisa tinha por fim revelar trata-se da análise dos pais ou responsáveis sobre a qualidade das aulas remotas. Nesse ponto, as avaliações positivas totalizaram 77% dos entrevistados, sendo que 59,5% deles se declararam satisfeitos e outros 17,5% muitos satisfeitos.

Retorno programado

Questionados sobre uma possível data de retorno, entre quatro alternativas apresentadas que iam de 22 de junho a 03 de agosto, 67,3% se mostrou mais confortável com o retorno das aulas presenciais no início de agosto, contra 18,1% que gostaria que as aulas retomassem na primeira data apresentada.

Indagados ainda, se as aulas fossem retomadas em 22 de junho, 64,4% relatou que não estariam dispostos a enviar os filhos à escola, mesmo que estas estivessem seguindo todos os protocolos de orientação das autoridades de saúde.

A vontade de 76,4% dos entrevistados é a de continuar recebendo as atividades remotas, mesmo após o retorno das aulas presenciais, para que possam enviar os filhos à escola apenas quando se sentirem mais seguros em relação à pandemia. Outros 23,6% estaria frequentando normalmente as aulas assim que o decreto emergencial for revogado.

Situação econômica

Com relação aos pagamentos das mensalidades, exatos 88,4% dos entrevistados relatou estar pagando normalmente as instituições de ensino e 93,2% deles informou que não têm intenção de trocar de instituição de ensino após a pandemia.

Flora Guedes/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.