Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Relator da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 65/2019, o senador Flávio Arns (Rede/PR) apresentou à Comissão de Constituição e Justiça do Senado (CCJ) relatório favorável para tornar permanente o Fundo de Manutenção e desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), que tem vigência até 2020.

Flávio Arns apresentou algumas emendas ao texto original,  dos senadores Randolfe Rodrigues (Rede/AP) e Davi Alcolumbre (DEM/AP). A principal é que seja retirada a atual isenção do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física (Irpf) sobre os lucros e dividendos repassados aos sócios e acionistas como meio de financiar a educação básica. 

O senador esclarece que a retirada da isenção fiscal afetará uma pequena parcela da população. “Somente cerca de 1% dos brasileiros mais ricos usufruem dessa desoneração. Já os recursos obtidos pela retirada da isenção ajudarão os 100% de brasileiros a terem uma educação melhor, pois a nova arrecadação representará uma elevação substancial nos recursos do Fundeb”, explicou o senador. E enfatiza: “essa medida não afetará os micro e pequenos empresários, os quais continuarão isentos do imposto de renda”.

Arns destaca que a medida permitirá um acréscimo de cerca de R$ 120 bilhões a mais por ano na arrecadação dos entes da Federação.  “Com isso, garantiremos a receita necessária para viabilizar um dos principais pontos da PEC, que é a ampliação da complementação da União aos fundos estaduais e municipais. Dos atuais 10%, estamos propondo que o repasse seja ampliado inicialmente para 20% e chegue a 40% ao longo de dez anos”, explica.

Para o senador, seria uma forma de ajudar estados e municípios a saírem da crise financeira em que se encontram e garantir recursos para a melhoria da qualidade do ensino básico. “Os benefícios serão inúmeros, como promover de um ensino público universal de qualidade, diminuir a desigualdade social e tornar o imposto de renda mais progressivo, equitativo e justo”, ressalta Arns.

CAQi

O senador Flávio Arns, em seu relatório, manteve a proposta original de permanecer o Custo Aluno-Qualidade Inicial (CAQi) como parâmetro de definição do valor anual mínimo por aluno. Com isso, além do número de matrículas, outros fatores também serão importantes para a definição de valores a serem repassados pelo Fundeb.  Esses fatores possuem o objetivo de assegurar elevado padrão de qualidade ao ensino público brasileiro.

Distorções

O relatório de Arns também busca corrigir distorções do atual Fundeb que impactam nas contas de municípios pequenos que mais contribuem com o Fundo do que recebem em retorno. Para isso, o parlamentar sugere a retirada do Imposto sobre Propriedade Territorial Rural (ITR) do conjunto de impostos que financiam o Fundeb. “Nem todos os municípios brasileiros repassam esse imposto ao Fundo, somente aqueles que não possuem convênio com a União para fiscalizar o referido tributo, o que gera uma situação de desigualdade entre as municipalidades”, esclarece.

Segundo Arns, a medida não trará impacto financeiro ao fundo, uma vez que o ITR corresponde a somente 0,17% do Fundeb. “A expectativa é que, com essas proposições, a PEC 65/2019 seja aprovada e represente um ganho para a educação brasileira e para todos os entes da Federação, uma vez que tornar o Fundeb permanente é premissa fundamental e constitucional iminente”, analisa Flávio Arns.

Greicy Pessoa/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.