Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A diretora de formação de profissionais do Ministério da Educação (MEC), Sílvia Donnini, surpreendeu os cerca de 800 professores que participaram da 1ª Semana Pedagógica da Secretaria Regional de Educação (SER), em Florestópolis (73 quilômetros de Londrina). Ela anunciou que o MEC já tem liberado e à disposição das escolas R$ 530 milhões para a contração de assistentes para ajudar os professores regentes das primeiras séries. “Estamos trazendo o programa Mais Alfabetização que vai destinar a cada uma das turmas de 1º e 2º ano, de todas as escolas brasileiras, a possibilidade de contratar um assistente, para ajudar o professor. É um apoio aos professores alfabetizadores e essa verba será liberada via PDDE, que é o Programa Dinheiro Direto na Escola. A escola entra na internet, adere ao programa, e recebe o recurso sem qualquer interferência”, revelou. Donnini ainda elogiou a iniciativa do Consórcio de Desenvolvimento e Inovação do Norte do Paraná (Codinorp) e disse que a ideia de criar uma secretaria regional pode servir de modelo para o Brasil.

Opinião semelhante foi manifestada pelo ex-ministro da Educação, José Henrique Paim Fernandes, ao ministrar palestra na abertura do evento que reuniu professores, diretores de escola, pedagogos e gestores educacionais das nove cidades que fazem parte do consórcio. “Estamos vivendo um momento histórico. Essa iniciativa é um exemplo de um arranjo regional que pode servir de modelo para o Brasil”, declarou. Paim frisou que além da questão da desigualdade, que é um problema nacional, a ideia da SRE pode ser uma forma de solução associativa para resolver questões como a qualidade do ensino, a formação de professores e até da base nacional curricular. “Temos desafios enormes pela frente e precisamos de uma grande mobilização para construir uma gestão educacional voltada para aprendizagem. Cada criança na escola é muito importante, não podemos deixar nenhum para trás, e para isso, precisamos de um processo de gestão educacional muito organizado e alinhado, e encontramos esse modelo aqui, neste trabalho do Codinorp”.

O presidente da Frente Parlamentar da Educação do Congresso Nacional, deputado federal Alex Canziani (PTB), disse estar convencido de que a união de interesses comuns traz resultados melhores. “Isso mostra duas coisas, primeiro que o interesse comum por melhorias no ensino das nossas crianças é uma realidade e, segundo, que o professor faz toda a diferença. A qualidade da educação brasileira precisa melhorar e muito; não há como pensarmos num país desenvolvido se não for por meio da educação e essa prioridade tem que ser focada e é isso que está sendo feito aqui”, salientou.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios