Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Em alguns cursos de Londrina, elas somam 50% do total de alunos matriculados

A pandemia da covid-19 acelerou o uso da tecnologia na rotina diária, com recursos e ferramentas que se tornaram essenciais nas atividades do mercado de trabalho e da educação. O crescimento do setor abriu ainda mais oportunidades para uma mudança recente, o aumento do número de mulheres interessadas nos cursos de tecnologia da informação. No curso Técnico de Informática, concomitante com o Ensino Médio do Marista Escola Social Irmão Acácio, que atende gratuitamente crianças e adolescentes no Bairro Cj. João da Paz, em Londrina, elas somam 50% entre os alunos matriculados.

O mercado, de origem predominante masculina, vêm sendo cada vez mais modificado e ocupado por mulheres Segundo estudo da McKinsey&Company “Women in the Workplace 2019”, nos últimos 5 anos, cresceu em 24% a representação de mulheres em posições no setor da TI, essa mudança também acontece na oferta dos cursos. “Sempre tivemos em torno de 30% de matriculadas, em 2020 chegamos a 50%, isso demonstra a importância de oferecer o acesso para todos. O desenvolvimento das atividades do curso, principalmente quando falamos em uma área de vulnerabilidade social, permite o crescimento das oportunidades para essas jovens e acesso ao mercado de trabalho ” reforça Diego Oliveira de Lima, diretor da Escola Social.

Acesso à tecnologia e os projetos de vida

Os cursos concomitantes com o Ensino Médio oferecem nas disciplinas os conceitos de jogabilidade, design gráfico, gamificação, programação e animação gráfica. “Além de garantir uma educação de qualidade, acesso ao mercado de trabalho, impulsionamos além do aprendizado, a realização dos projetos de vida de todos os estudantes”, reforça Diego.

No final do ano passado, três jovens foram vencedoras de um Hackathon promovido pela escola como a criação de um aplicativo para agilizar processos de gestão e serviços. As alunas acreditam que a vitória do grupo formado só por meninas e o aumento cada vez maior das matrículas nesse curso pode ser uma inspiração. “É bom ver as mulheres se interessando ainda mais pela área, vemos a tecnologia já como parte do nosso dia a dia e vai aumentar ainda mais no futuro, esse curso vai contribuir para nossas escolhas e para realizarmos nossos projetos de vida”, revela.

Nathalie Santini Maia/Marista Escolas Sociais

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios