Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Em alguns cursos de Londrina, elas somam 50% do total de alunos matriculados

A pandemia da covid-19 acelerou o uso da tecnologia na rotina diária, com recursos e ferramentas que se tornaram essenciais nas atividades do mercado de trabalho e da educação. O crescimento do setor abriu ainda mais oportunidades para uma mudança recente, o aumento do número de mulheres interessadas nos cursos de tecnologia da informação. No curso Técnico de Informática, concomitante com o Ensino Médio do Marista Escola Social Irmão Acácio, que atende gratuitamente crianças e adolescentes no Bairro Cj. João da Paz, em Londrina, elas somam 50% entre os alunos matriculados.

O mercado, de origem predominante masculina, vêm sendo cada vez mais modificado e ocupado por mulheres Segundo estudo da McKinsey&Company “Women in the Workplace 2019”, nos últimos 5 anos, cresceu em 24% a representação de mulheres em posições no setor da TI, essa mudança também acontece na oferta dos cursos. “Sempre tivemos em torno de 30% de matriculadas, em 2020 chegamos a 50%, isso demonstra a importância de oferecer o acesso para todos. O desenvolvimento das atividades do curso, principalmente quando falamos em uma área de vulnerabilidade social, permite o crescimento das oportunidades para essas jovens e acesso ao mercado de trabalho ” reforça Diego Oliveira de Lima, diretor da Escola Social.

Acesso à tecnologia e os projetos de vida

Os cursos concomitantes com o Ensino Médio oferecem nas disciplinas os conceitos de jogabilidade, design gráfico, gamificação, programação e animação gráfica. “Além de garantir uma educação de qualidade, acesso ao mercado de trabalho, impulsionamos além do aprendizado, a realização dos projetos de vida de todos os estudantes”, reforça Diego.

No final do ano passado, três jovens foram vencedoras de um Hackathon promovido pela escola como a criação de um aplicativo para agilizar processos de gestão e serviços. As alunas acreditam que a vitória do grupo formado só por meninas e o aumento cada vez maior das matrículas nesse curso pode ser uma inspiração. “É bom ver as mulheres se interessando ainda mais pela área, vemos a tecnologia já como parte do nosso dia a dia e vai aumentar ainda mais no futuro, esse curso vai contribuir para nossas escolhas e para realizarmos nossos projetos de vida”, revela.

Nathalie Santini Maia/Marista Escolas Sociais

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.