Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A mudança no rito para a eleição e nomeação dos reitores das universidades e institutos federais, prevista na Medida Provisória 914/2019, tem gerado reações de senadores. O texto, editado em dezembro, prevê que o presidente da República poderá não acatar o nome mais votado da lista tríplice de candidatos apresentada pela instituição.

Tradicionalmente, o reitor das universidades e institutos federais é escolhido pelo corpo de professores, alunos e funcionários das universidades, por meio de uma votação que resulta em três nomes. O mais votado dessa lista costuma ter seu nome confirmado pelo presidente, para um mandato de quatro anos. A MP 914, no entanto, estabelece que o presidente poderá escolher qualquer um dos três nomes apresentados, não necessariamente o mais votado.

“Precisamos entender a razão pela qual não estão sendo nomeados candidatos escolhidos pela maioria dos alunos, professores e servidores das instituições. Afinal, quem melhor para indicar um reitor do que as pessoas que estão dentro das universidades?”, questionou, pelas redes sociais, o senador Fabiano Contarato.

Na segunda-feira (20), a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, do Ministério Público Federal, pediu esclarecimentos ao ministro da Educação, Abraham Weintraub, sobre o descumprimento dos resultados das eleições realizadas pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia no Rio Grande do Norte (IFRN) e em Santa Catarina (IFSC). O prazo para a resposta é de dez dias.

Revolta

Também pelas redes sociais, o senador Jean Paul Prates (PT-RN) classificou como intervenção no IFRN a decisão de nomear como reitor alguém que não havia participado das eleições. O vencedor pelas urnas havia sido o professor José Arnóbio de Araújo Filho, com 48,25% dos votos, mas o nomeado foi o professor Josué de Oliveira Moreira para o cargo de reitor pro tempore (temporário) da instituição. A eleição de Arnóbio ocorreu 20 dias antes da edição da MP.

“A intervenção do Ministério da Educação no IFRN, nomeando um reitor-interventor, é um verdadeiro golpe contra estudantes, professores e servidores da instituição. É mais um ataque direto à educação de um governo que despreza a democracia”, disse o senador pelas redes sociais. Ele apontou a intenção do governo de aparelhar o instituto.

Em protesto contra a decisão, professores, funcionários e estudantes bloquearam a entrada do IFRN na quarta-feira (22).

Também pelas redes sociais, a senadora Zenaide Maia (Pros-RN) afirmou que a nomeação fere a democracia no lugar onde ela deve nascer: a educação. Para a senadora, a intervenção é autoritária e não tem base legal. “O governo federal nomeou alguém que sequer concorreu ao pleito, desrespeitando uma prática democrática dos institutos federais. Uma pergunta que não quer calar: quem indicou o reitor pro tempore do IFRN?”, questionou a senadora.

Manifestações

A MP está na Câmara dos Deputados, onde aguarda votação. Depois, ainda terá que ser aprovada pelo Senado. Na consulta pública do portal e-Cidadania, mais de 600 mil cidadãos já se manifestaram sobre a medida, a maioria contra a aprovação.

Em pronunciamento feito em fevereiro, o senador Paulo Rocha (PT-PA) já havia criticado a medida. Para ele, o governo é autoritário, e implementa suas políticas por meio de medidas provisórias. A MP 914, segundo o senador, resume o que o presidente Jair Bolsonaro quer para a área da educação.

— Ele não só modifica todo o critério de escolha democrática, que, ao longo de décadas, foi sendo construído, mas também a conquista, na Constituição brasileira, da autonomia que têm as universidades para gerar conhecimento, desenvolver nossas pesquisas e produzir nossos doutores, nossos mestres — criticou o senador. 

Agência Senado

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.