Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Silmara Sartoreto de Oliveira foi a única professora da área de Biologia escolhida em meio a todos os pares da Região Sul. Ela participou da avaliação de três obras que serão utilizadas por estudantes do Ensino Médio, do 1º ao 3º ano. Os materiais escolhidos serão utilizados por 19.250 escolas e mais de 6 milhões de alunos.

A professora Silmara Sartoreto de Oliveira, do Departamento de Biologia Geral, do Centro de Ciências Biológicas (CCB) da Universidade Estadual de Londrina (UEL), foi uma das integrantes da avaliação de livros didáticos pelo Programa Nacional do Livro Didático (PNLD). O Programa é uma proposta do Plano Nacional de Educação (PNE), do Ministério da Educação (MEC), para avaliar os materiais (livros, apostilas, manuais, vídeos de apoio usados em sala) para os professores de todo o Brasil utilizarem em escolas públicas e filantrópicas, do 6º ano do Ensino Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio.

Silmara foi a única professora da área de Biologia escolhida em meio a todos os pares da Região Sul. “Esse trabalho foi bastante extenso. O processo começou em novembro, com cursos de capacitação com os professores escolhidos. Todas essas obras didáticas já foram avaliadas em consonância com a Base Nacional Curricular Comum (BNCC)”, explicou a professora.

O processo de avaliação ocorreu de forma completamente sigilosa, desde o ano passado. Silmara participou da avaliação de três obras que serão utilizadas por estudantes do Ensino Médio, do 1º ao 3º ano. Ao todo, os materiais escolhidos pelos avaliadores serão utilizados por 19.250 escolas e por mais de 6 milhões de alunos, somente no Ensino Médio. Os profissionais foram escolhidos pela Coordenação Geral de Materiais Didáticos (Cogeam), do MEC.

BNCC

Um dos pontos importantes do processo, na opinião da avaliadora, foi fazer valer o que a BNCC pressupõe. “É uma garantia, também, de que o mesmo material será utilizado por estudantes de todas as regiões do Brasil, de Norte a Sul”, disse a professora, que atua como avaliadora do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

 “Fui escolhida por ser uma docente pesquisadora da área da Educação para ciência na região Sul do país e, também, por estar em uma Universidade de ponta e ter formação na área de Ensino. É importante para a UEL ter um representante num trabalho que é um plano de Estado, que fica independente do governo que estiver”, avaliou Silmara.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.