Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

As oficinas tem como tema escrita e cura e acontecerão online no mês de maio; não é necessário nenhum conhecimento prévio e todas mulheres (cis e trans) são bem-vindas, mas é preciso se inscrever para participar da seleção

A pesquisadora Layse Barnabé de Moraes, Mestra em Estudos Literários pela UEL (Universidade Estadual de Londrina) e Doutoranda em Letras pela mesma instituição, convida mulheres (cis e trans) a participar da Oficina de criação literária "Escrita e cura", parte de sua pesquisa de doutorado em andamento no Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina (UEL).

A ideia inicial da pesquisadora era ministrar oficinas para as mulheres internas da Cadeia Pública Feminina e também atendidas pelo CAM (Centro de Atendimento à Mulher), mas infelizmente o prolongamento da pandemia impediu a ação presencial nesses lugares. A versão online, aberta ao público geral, foi uma saída necessária para não inviabilizar completamente a experiência prática das oficinas literárias. A pesquisadora destaca que não se responsabiliza por fornecer quaisquer tipos de equipamentos tecnológicos às participantes por falta de fomento e logística para tal.

Escrita & cura

A oficina, exclusiva para mulheres, parte da tese de doutorado em andamento de Layse, que defende que a poesia de autoria feminina tem sido usada atualmente como uma ferramenta de cura.

O objetivo da oficina é transbordar a experiência acadêmica em espaços não especializados e ouvir mulheres das mais diversas vivências, alinhada com aquilo que Audre Lorde defende: a poesia não é um luxo. O encontro com essas mulheres parte, principalmente, de uma palavra: escuta. “Não é sobre ensinar a escrever. É sobre aprender coletivamente sobre os processos de escrita e cura”, destaca Layse.

Lançada no início de Abril, a oficina já recebeu mais de cem inscritas até agora, mas a pesquisadora ainda segue com as inscrições abertas para garantir a maior diversidade possível entre as mulheres participantes. “Apesar do grande número de inscritas, bem superior ao número de vagas, quase 80% dessas mulheres não pertencem a nenhuma minoria. Nos outros 20% há mulheres negras, lésbicas e bissexuais, mas não há ainda nenhuma inscrição de mulheres trans e de mulheres indígenas, por exemplo, o que acredito que somaria muito para a experiência da oficina”, ressalta Layse.

Para se inscrever

A quem desejar se inscrever, é só acessar o link e preencher o formulário ou entrar no link na bio do perfil do Instagram @coraçãononsense. As inscrições vão até o dia 25 de abril, às 12h.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.