Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Iniciativa é parceria entre Universidade Estadual de Londrina e a Universidade de Huddersfield (Inglaterra), que já tem jogos criados para diversos países. No Brasil o jogo se chamará Emílio. Projeto foi um dos 14 contemplados no edital da Unicef e receberá US$ 750 mil.

Emílio é um menino brasileiro que enfrenta situações difíceis por causa de sua vulnerabilidade social. É a história de milhares de crianças no País. A diferença é que Emílio é o personagem de um jogo, de mesmo nome, que deverá ser lançado dentro de aproximadamente seis meses, justamente com este objetivo: alertar e combater a violência contra a criança.

O jogo é resultado de uma parceria entre a UEL e a Universidade de Huddersfield (Inglaterra), de onde partiu a iniciativa. A instituição europeia já tem jogos criados para o próprio Reino Unido, Jamaica, Uganda, Índia, e mostrou interesse em estender o projeto, que tem apoio da Unicef (Fundo de Emergência Internacional das Nações Unidas para a Infância) para o Brasil.

O professor Alex Eduardo Gallo, do Departamento de Psicologia Geral e Análise do Comportamento/CCB, coordenador do projeto de pesquisa local que envolve a criação de Emílio, explica que o primeiro contato da Universidade de Huddersfield com a UEL foi feito com a professora Milena Kanashiro, do Centro de Tecnologia e Urbanismo, que logo procurou o curso de Psicologia, no início do ano passado.

O projeto foi montado, apresentado ao Edital da Unicef, e foi um dos 14 contemplados. Por isso, receberá do fundo US$ 750 mil para sua execução.

Parceria

No Brasil, a parceria inclui a participação da Promundo, uma organização não-governamental, criada em 1997, que promove a equidade de gêneros e o fim da violência. A ONG é responsável pela validação cultural do jogo, voltado para um público de 14 a 18 anos. A validação inclui, por exemplo, a adequação da linguagem.

O jogo está sendo desenvolvido pela None in Three (Ni3), um centro de pesquisa da Universidade de Huddersfield dedicado ao estudo e prevenção da violência baseado em ferramentas educativas, como jogos, em iniciativas já reconhecidamente bem sucedidas. O nome (“Nenhuma em três”) nasceu da grave estatística de que uma em cada três meninas/mulheres do mundo estão sujeitas à violência física e sexual.

A UEL testará o jogo com 320 jovens da faixa etária pré-determinada. “O projeto vai avaliar os efeitos desse jogo na promoção de empatia e comportamentos pró-sociais que sejam preventivos de abuso e exploração sexual de crianças online”, conta o professor Alex Gallo.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.