Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Além dos Grupos de Estudos, a universidade tem 1.009 Linhas de Pesquisa certificadas. Há 905 professores doutores envolvidos em projetos de pesquisa, o que corresponde a quase 90% do número total de docentes com Doutorado.

A UEL é a universidade estadual do Paraná que possui mais Grupos de Pesquisa Científica e Tecnológica – são 322 Grupos de Estudos e 1.009 Linhas de Pesquisa certificados. Há 905 professores doutores envolvidos em projetos de pesquisa, o que corresponde a quase 90% do número total de docentes com Doutorado.

De acordo com professor Eduardo José de Almeida Araujo, diretor de Pesquisa da Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-graduação (PROPPG) da Universidade Estadual de Londrina, é um número que tem se mantido pelo menos nos últimos seis anos.

“A UEL tem uma força de pesquisa consolidada e estável, apesar das aposentadorias e não reposição na mesma proporção”, avalia.

Quanto às áreas do conhecimento, os GP estão assim distribuídos: Ciências Agrárias (28), Biológicas (42), Saúde (52), Exatas e da Terra (33), Humanas (85), Sociais Aplicadas (42), Engenharias (13) e Linguística, Letras e Artes (27).

Os Grupos de Pesquisa Científica e Tecnológica podem ser um indicador do potencial de pesquisa, assim como são critério para muitos editais de instituições com o CNPq – Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico e Fundação Araucária para outorgar bolsas voltadas à formação de recursos humanos para pesquisa, incluindo Iniciação Científica, Mestrado e Doutorado.

O professor explica que tais GPs servem para nuclearizar os grupos de pesquisadores numa dada temática, intra ou interinstitucionalmente.

Formalização

O CNPq, ao criar a Plataforma Lattes, concebeu o registro através do Diretório dos Grupos de Pesquisa (DGP). Nele são encontradas informações sobre os recursos humanos constituintes dos grupos (pesquisadores, estudantes e técnicos), linhas de pesquisa em andamento e especialidades do conhecimento, entre outras.

Eduardo Araujo explica que para criar um GP é preciso constar uma série de informações, como o nome do Grupo, com um tema circunscrito para mostrar sua especialidade; área do conhecimento; nome do líder e do segundo líder (se houver), sempre cadastrados no Lattes; repercussão (contribuição); linhas de pesquisa; relação de pesquisadores participantes seniores ou juniores, ou seja, já formados (docentes) ou não (estudantes); e relação de técnicos de apoio, caso haja.

Podem ser incluídos pesquisadores de fora da instituição e até do País, mas todos devem estar cadastrados no Lattes.

Certificação

Um passo importante, segundo o professor, é a certificação do Grupo, feita, no caso da UEL, pela PROPPG. Sem a certificação o CNPq não registra o GP. Certificado, o Grupo recebe um selo, e um segundo selo é concedido pela atualização, que deve ser feita a cada 12 meses. Se em 24 meses não ocorre nenhuma atualização, o CNPq cancela o registro.

AEN

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.