Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.
Educando na Fé 26/08/2009  12h06

Ainda Hiroshima

Recebi do articulista e poeta Brasilmar Nascimento Araújo, de Goiânia/GO, um e-mail, em que generosamente comenta o meu artigo “Hiroshima”. Escreve o prezado colega: “Com muita satisfação li o seu texto, no qual relata com muita clareza fatos da história da humanidade. Que não esqueçamos jamais a tamanha brutalidade que assolou o mundo. Precisamos, sim, ser a cada dia um ator da Paz em qualquer parte do mundo. Aproveito a ocasião para enviar-lhe o texto ‘Mundo: uma orquestra em descompasso’, publicado em 7/12/2008, no ‘Diário da Manhã’”.

Caro Brasilmar, li o seu trabalho e permita-me destacar este trecho: “Chega de armamentos. De lépidos e destruidores caças. De truculentos tanques. De sorrateiros e perigosos blindados do fundo dos mares ou bases flutuantes que deslizam sobre os oceanos. Peças indispensáveis na logística de todos os beligerantes. Armas da ruína humana. A humanidade está estarrecida da generalidade da violência que assola em todos os sentidos. (...) O investimento tem que ser feito maciçamente no homem, na sua formação moral e intelectual. Alicerçado pelo caminho da sociabilidade desde jovem. Vamos todos partilhar nossas ideias. Balizando a pesquisa e a cooperação, como instrumentos benéficos na melhoria da raça humana. (...) O homem precisa entender que o sangue tem que continuar irrigando os nossos vasos e oxigenando vidas. E, não, sendo derramado nas trincheiras da discórdia e da irracionalidade!”.

De pleno acordo. As soluções dos graves problemas de nossa sociedade passam pela devida valorização do Capital de Deus, ou seja, o ser humano e seu espírito eterno. Do contrário, acabaremos por enfrentar um conflito mundial maior que as duas grandes guerras do século 20 que, numa análise histórica, podem ser classificadas como uma só dividida em duas partes. Que Deus nos livre da terceira!

 “TBV – onde o ecumenismo se encontrou”

Estarei em Brasília/DF, no dia 24 de outubro próximo, para a sessão solene do Congresso Histórico que marca os 20 anos do Templo da Boa Vontade (TBV). A data lembra também os 50 anos da Proclamação do Novo Mandamento de Jesus e as quatro décadas da referente ao Centro Espiritual Universalista (o CEU da Religião de Deus), feitas pelo saudoso fundador da LBV, Alziro Zarur, que completará, em 21 de outubro, 30 anos na Pátria da Verdade. Aproveitaremos ainda para antecipadamente abrir os festejos dos 60 anos da criação da LBV, que se deu em 1o de janeiro de 1950.

O Templo da Boa Vontade, aclamado pelo povo como uma das Sete Maravilhas de Brasília, é o monumento mais visitado na capital, segundo a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo do Distrito Federal (SDET).

Um dos mais tocantes depoimentos sobre o TBV vem de uma amiga de longa data, a jornalista gaúcha Marlene Galeazzi, que nos 14 anos da Pirâmide da Boa Vontade, em 2003, nos dizia: “Quero cumprimentá-lo por esta obra maravilhosa que se transformou, desde a sua inauguração, em 1989, no Templo da Paz, no Templo de Meditação dos brasilienses e de quem aqui passa. Como jornalista, sou testemunha de fatos históricos; nem todos revelados pela imprensa. Quando atuava na revista Veja e, depois, no jornal ‘O Estado de S. Paulo’, encontramos aqui, de madrugada, em momentos muito difíceis do país, de crises políticas, mais de um presidente vindo meditar, tocar a Mandala, fazer a espiral, energizar-se com o Cristal, ouvir palavras maravilhosas, músicas de primeiríssima qualidade. Este Templo, hoje, é comentado no mundo inteiro, e nem sei como lhe agradecer por tê-lo construído em Brasília, que é a capital do Terceiro Milênio, onde o ecumenismo se encontrou”.

Querida Marlene, grato pela distinção e apreço. Essa obra, o TBV, nasceu com o apoio popular e por isso traz a chama da esperança, sentimento que todos ali buscam. Nele vive a glória do Criador representado pelas criaturas ecumenicamente reunidas.

Garanta seu lugar

As caravanas do Paraná rumo ao Templo das Almas Benditas e dos Espíritos Luminosos sairão das cidades de Londrina e Maringá. Informe-se melhor pelo telefone (43) 3315-6200.
Bodas de Ouro

O jornalista Gilberto Amaral e sua bela esposa, dona Mara, comemoraram bodas de ouro no dia 15 de agosto, na Capela São Pedro de Alcântara, na Reitoria da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Com imenso prazer, o Coral Ecumênico Boa Vontade lá esteve, levando nossa saudação com um repertório que, conforme me relata o maestro Vanderlei Alves Pereira, “muito agradou ao nobre casal e aos seus convidados. Frei Clemente, que celebrou a missa, foi logo dizendo: ‘Vocês [da LBV] só fazem coisa boa. Confio em vocês’”.

Estimados Gilberto e dona Mara, fico feliz por terem gostado de nossa singela homenagem.
José de Paiva Netto — Jornalista, radialista e escritor.
paivanetto@uol.com.brwww.boavontade.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios