Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.
Educando na Fé 10/08/2011  10h37

Bastos Tigre

No último dia primeiro, completaram-se 54 anos do retorno do jornalista pernambucano Manuel Bastos Tigre (1882-1957) ao Mundo Espiritual. Um brasileiro de muitos talentos, além de outras funções, destacou-se como bibliotecário, poeta, compositor, humorista e publicitário.

Em homenagem a ele, pois os mortos não morrem, trago-lhes um dos seus poemas de que mais gosto. Está publicado na “Antologia da Boa Vontade” (1955). É um incentivo aos que sabem perseverar na construção de um mundo melhor, incluídos os dedicados Pais, na Terra e no Céu da Terra, que no próximo domingo receberão o carinho e o reconhecimento dos amados filhos.

A VITÓRIA DA VIDA

“Pobre de ti se pensas ser vencido!/ Tua derrota é caso decidido./ Queres vencer, mas como em ti não crês,/ Tua descrença esmaga-te de vez./ Se imaginas perder, perdido estás./ Quem não confia em si, marcha pra trás;/ A força que te impele para a frente/ É a decisão firmada em tua mente.

“Muita empresa esboroa-se em fracasso/ Inda muito antes do primeiro passo;/ Muito covarde tem capitulado/ Antes de haver a luta começado;/ Pensa em grande, e os teus feitos crescerão;/ Pensa em pequeno, e irás depressa ao chão./ O querer é o poder arquipotente./ É a decisão firmada em tua mente.

“Fraco é aquele que fraco se imagina;/ Olha ao alto o que ao alto se destina;/ A confiança em si mesmo é a trajetória/ Que leva aos altos cimos da Vitória./ Nem sempre o que mais corre a meta alcança,/ Nem mais longe o mais forte o disco lança,/ Mas o que, certo em si, vai firme e em frente,/ Com a decisão firmada em sua mente”.

Usemos essa determinação em prol de uma causa digna e justa. A questão é querer fazer; fazer, mas fazer certo.

FOME E ARMAGEDOM

O Portal das Nações Unidas no Brasil criou um site especial (www.onu.org.br/chifredaafrica/), totalmente em português, com o objetivo de chamar a atenção para a pior crise humanitária em décadas na região conhecida como Chifre da África (Somália, Etiópia, Eritreia, Djibuti e Quênia). Segundo a ONU, mais de 12 milhões de pessoas enfrentam grave escassez de alimentos, provocada pela pior seca dos últimos 60 anos. O problema ainda é agravado por conflitos entre o governo somali e forças rebeldes.

Destaca o site que, “no sul da Somália, há 2,8 milhões de desnutridos, dos quais 1,25 milhão são crianças. Em áreas agropastoris, até 20 a cada 10 mil crianças de até 5 anos morrem diariamente e o índice de desnutrição infantil aguda chega a 50%. Dezenas de milhares de pessoas morreram e mais vidas estão em risco. Quase metade da população — 3,7 milhões de pessoas — precisa de assistência humanitária”.

Em 28/7, o Ministério das Relações Exteriores comunicou que o Brasil enviará 53 mil toneladas de alimentos para os locais atingidos pela estiagem. A doação deve seguir nos primeiros dias de setembro, em dois grandes navios graneleiros. A Agência Brasil divulgou que “a Somália receberá 38 mil toneladas, enquanto 15 mil toneladas serão encaminhadas a campos de refugiados na Etiópia. De acordo com o coordenador-geral de Ações Internacionais de Combate à Fome do Itamaraty, Milton Rondó Filho, inicialmente, os países receberão apenas feijão e milho. O Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA) vai intermediar a doação”.

Eis um drama que demonstra a urgente necessidade de revestirmo-nos, cada vez mais, do espírito solidário, caritativo, tendo como princípios básicos de convivência o respeito e o cuidado para com a sagrada pessoa humana, independentemente da cor da pele, da nacionalidade, do idioma ou do que mais o seja. Não levantemos diques que obstruam o rumo natural dos povos à confraternização. O planeta Terra continua sendo a mesma morada para todos. O Armagedom da fome está logo ali para muita gente.

José de Paiva Netto, jornalista, radialista e escritor.
paivanetto@lbv.org.brwww.boavontade.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios