Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

No domingo, 21 de abril, Dia de Tiradentes, Brasília completou 53 anos. O Brasil é reconhecidamente uma nação mestiça, em que há espaço para todos conviverem em harmonia. É natural que Brasília carregue em si o simbolismo dessa representação.
O Templo da Boa Vontade, cujas portas abri em 21/10/1989, é igualmente um brado diário dessa consciência de Paz. O destino dos povos é o Ecumenismo Total. Assim caminham os seres humanos, apesar dos pesares.
Aprendizado infinito

No artigo anterior, trouxe-lhes um trecho da entrevista do dr. Marco Antonio Zito Alvarenga, advogado criminalista e presidente do Conselho de Participação e Desenvolvimento da Comunidade Negra do Estado de São Paulo (CPDCN), na Boa Vontade TV (canal 23 da SKY). Ele destacava a educação no findar do racismo, pelo conhecimento do valor da cultura negra na formação de nosso país.
Tendo em vista a importância do ensino e da diversidade de seu conteúdo que ilumina as mentes, recordo que ao anunciar, em 25 de janeiro de 1986, quando da inauguração da Supercreche Jesus, em São Paulo, o advento do Instituto de Educação Boa Vontade, também na capital bandeirante, resumi em poucas palavras sua filosofia de trabalho: Aqui se estuda. Formam-se Cérebro e Coração. Trata-se da Pedagogia de Deus, que é Amor, a qual prepara o indivíduo para viver a Cidadania Ecumênica, firmada no exercício pleno da Solidariedade Espiritual, Humana e Social. Daí há tanto tempo afirmar que é urgente difundir a Pedagogia do Amor, do Carinho, do Afeto, da Misericórdia, da Justiça, a Pedagogia do Cidadão Ecumênico. Elas são suplementares e imprescindíveis ao sustento da Alma. Medicamentos energéticos para a cura de enfermidades, a começar pelas psíquicas, que prejudicam a absorção das lições necessárias ao enriquecimento intelectual e moral dos estudantes, que não constituem apenas os que frequentam as escolas, porquanto o simples fato de viver é constante ensinamento. O bom gosto da vida é o aprendizado infinito.
“Cultura Pela Palavra”

O músico Gilberto Gil e o sociólogo Juca Ferreira lançaram no Rio de Janeiro/RJ, no dia 9 de abril, o livro “Cultura pela palavra”.
A obra, organizada por Armando Almeida, Maria Beatriz Albernaz e Mauricio Siqueira, é composta de artigos, entrevistas e discursos dos ex-ministros da Cultura Gilberto Gil e Juca Ferreira no período em que comandaram a pasta.
Grato pelas dedicatórias que recebi dos autores: “Palavras ditas e escritas para ajudar o desenvolvimento cultural do país, Juca Ferreira”; e, “Paiva Netto, um pouco do nosso texto ministerial, com carinho, Paz! Gilberto Gil”.

José de Paiva Netto — Jornalista, radialista e escritor.  - paivanetto@lbv.org.brwww.boavontade.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios