Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.
Educando na Fé 29/04/2010  10h16

Inclusão digital

Nesta primeira década do Terceiro Milênio, o Brasil ocupa posição de destaque na internet. Em recente pesquisa do Ibope Nielsen Online, o país terminou 2009 com a expressiva marca de 67,5 milhões de acessos, 8,2% maior em relação ao primeiro trimestre do ano passado. Os dados englobam a navegação feita pelos internautas das residências, dos locais de trabalho, das lan houses, das bibliotecas e dos telecentros.

Não obstante esse avanço, temos muito a conquistar no que diz respeito ao acesso de um número cada vez maior de usuários a essa ferramenta imprescindível, quando bem usada, para a democratização do saber.

O programa Sociedade Solidária, da Boa Vontade TV (canal 23 da SKY), entrevistou o diretor de projetos do Instituto Tecnológico Impacta, professor Ricardo Infantozzi, que trouxe sua colaboração ao tema.

Indagado acerca do reflexo da inclusão digital, o acadêmico foi taxativo: " É muito importante verificar quão realizadas se tornam as pessoas que passam a ter a oportunidade de uma renda melhor, de um crescimento profissional, após passar por uma capacitação, por algo que permita que elas desenvolvam todo o seu potencial".

NOVA SOCIEDADE

Sobre os obstáculos para a expansão do universo digital brasileiro, Infantozzi apontou: "Para que haja uma inclusão social efetiva, três fatores são fundamentais: acesso ao computador, à rede de dados mundial e à capacitação. Sem abarcar esses três aspectos, esse tripé do conhecimento, não é possível se inserir na nova sociedade".

Revelou ainda que, dos três itens citados, o hardware é o mais complicado. Contudo, essa dificuldade pode ser amenizada com a própria tecnologia: " O cloud computing [computação por nuvem] permite que um computador quase que vazio ou mesmo um celular — tendo os softwares disponíveis na internet — possa ter a capacidade tanto de processamento quanto de armazenamento compartilhado em toda a base ociosa na rede".

O hardware é a parte física do computador: peças e componentes.

ESCOLAS E PARCERIAS

Durante a entrevista, o diretor do Instituto Impacta acrescentou que atualmente o mercado remunera melhor os profissionais do conhecimento, aqueles que atuam por tornar a sociedade mais integrada: "E se vivemos a era do conhecimento é fundamental a participação das escolas dentro desse processo".

Nesse contexto, a Legião da Boa Vontade desenvolve em seus centros comunitários e educacionais cursos de inclusão digital voltados à população de baixa renda.

Ainda sobre o papel dos estabelecimentos de ensino na preparação do aluno para o convívio com a tecnologia, o professor Ricardo chamou a atenção para o fato de que "toda a capacitação deve partir do preparo do professor, mostrando a ele como agregar valor à sua aula utilizando a tecnologia".

Além disso, as parcerias podem ser estabelecidas nas próprias escolas. Exemplificou: "Saliento esse aspecto nas instituições de ensino superior. Muitos dos estudantes que lá estão têm a capacidade de ser multiplicadores para os jovens aprendizes, para as pessoas com deficiências. Bastam apenas Boa Vontade e dedicação de cada um no aspecto do voluntariado. Isso é muito importante".

BANDA LARGA, NETBOOKS E NOTEBOOKS

Quanto a inovações que facilitam a propagação e ingresso à internet, Infantozzi ressaltou: "É essencial que os custos de toda essa infraestrutura para acesso à informação sejam cada vez menores. E o principal fator é o da banda larga. Uma vez conectado com o mundo, as possibilidades são infinitas. A parte da máquina, do netbook, do notebook, ou seja, a porta de entrada para a rede mundial do conhecimento, ela também é importante, mas não o elemento principal".

Grato, professor Ricardo, por suas elucidativas explanações.

José de Paiva Netto é jornalista, radialista e escritor.
paivanetto@lbv.org.br www.boavontade.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios