Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.
Educando na Fé 31/07/2010  09h32

Missões em festa

Em concorrida cerimônia, no último sábado, 24/7, no salão de festas do Clube Gaúcho, em Santo Ângelo/RS, “A Tribuna Regional”, porta-voz das Missões, comemorou 43 anos. Os convidados, entre eles jornalistas, anunciantes e amigos, tiveram o ensejo de assistir a um vídeo que mostra a bem-sucedida trajetória do jornal desde sua fundação, em 5 de julho de 1967.
A festividade incluiu ainda a 3a edição do prêmio “Marcas & Líderes”. Uma pesquisa entre os leitores e anunciantes indicou as empresas, instituições e personalidades homenageadas.
Sou-lhes grato pela honra de receber, pela segunda vez, esse significativo troféu, legítima prova da aceitação do leitor. O casal legionário Renata e Alziro de Paiva me representaram na solenidade.
Falando à Super Rede Boa Vontade de Comunicação, o diretor de “A Tribuna” Luiz Valdir Andres Filho informou: “É um evento que ‘A Tribuna’ desenvolve aqui em Santo Ângelo, entregando o troféu ‘Marcas & Líderes’ para os destaques da comunidade santo-angelense, como forma de agradecimento e de incentivo às empresas, instituições e entidades que, ao longo do ano, se destacam nos seus segmentos. ‘A Tribuna’ tem uma abrangência em torno de 40 cidades, com uma circulação média de 15.000 exemplares/dia. Então, para nós, é uma satisfação levar informação sempre atualizada, séria, com credibilidade, para esse grande número de municípios da região noroeste do Rio Grande do Sul”.
NÃO SE APOSENTE DA VIDA
Por ocasião do Dia dos Avós, comemorado em 26/7, recordei-me de minha saudosa vó Laura. Viveu nesta encarnação 99 anos, lúcida, ativa e juvenil. Veio a falecer — vejam vocês o dinamismo dela — alguns dias depois de voltar da feira, e por causa de um acidente quando retornava para casa.
Com sua sabedoria, adquirida nos longos embates da vida, ensinava: “Aos que chegam, na sua existência, ao fundo do poço, só resta levantar a cabeça e começar a subir”. Sábias palavras.
Por sinal, em palestra que proferi sobre o que é ser jovem, veiculada pela Super RBV de Comunicação (rádio, TV e internet), destaquei esta máxima de Samuel Ullman (1840-1924), a qual muito aprecio: “A juventude não é um tempo de vida, é um estado de espírito”. Por isso, ao ouvir o incentivo que damos ao Jovem de Boa Vontade, o vovô ou a vovó jamais deve sentir-se excluído das nossas atividades. Eu mesmo, com muito gosto, já tenho quase 70 anos. Há décadas venho dizendo: aposentar-se do trabalho não significa aposentar-se da vida. Ela continua sempre. Portanto, é um erro descartar grandes valores porque estão “em idade avançada”. Descobertas importantíssimas foram feitas por homens e mulheres quando ultrapassavam os 60 ou 70 anos. É preciso, pois, aliar ao patrimônio da experiência dos mais velhos a energia dadivosa dos mais moços.
PRODUÇÃO NA MELHOR IDADE
A revista “Boa Vontade”, edição número 7, de janeiro de 1957, publica uma página por demais ilustrativa. Vale a pena ler:
“Quem, durante a existência, soube cultivar, lado a lado, Espírito e corpo, não pode e nem deve aos 60 anos julgar-se velho. Considere-se, por exemplo, que ‘Kant, o famoso filósofo alemão, escreveu aos 74 anos a sua Antropologia, a sua Metafísica, a sua Ética; também aos 74, Tintoretto pintou uma tela de quase 20 metros por 10, o célebre Paraíso; ainda aos 74, Verdi compunha a sua ópera Otelo, aos 80, a sua obra-prima Falstaff, e, aos 84, três imorredouras páginas religiosas: Ave, Maria!, Stabat Mater e Te Deum; Catão, aos 80, começou a estudar grego; Lamarck, aos 78, publicou a História Natural dos Invertebrados; Goethe, só aos 80, completou sua obra-prima, o Fausto; Tennyson, aos 83, escrevia a sua notável obra Crossing the Bar; Fontenelle, um dos enciclopedistas, dizia, aos 90, que nunca sentira a menor falha em sua memória ou em seu raciocínio; e o quadro histórico Batalha de Lepanto foi pintado por Ticiano aos 98 anos de idade!’”.
Enquanto houver um sopro de vida, de alguma maneira poderemos ser úteis. Façamos continuamente o Bem. 
ESTATUTO DA IGUALDADE RACIAL
Em 26/7, no programa semanal “Café com o Presidente”, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva comentou a sanção da lei que criou o Estatuto da Igualdade Racial: “Não é tudo o que a gente quer. Ainda faltam coisas para fazer, mas é importante que a gente tenha a clareza de que hoje temos o Estatuto da Igualdade Racial, temos uma lei que dá mais direitos, que recupera a cidadania do povo negro brasileiro”.
No mesmo pronunciamento, conforme noticiado pela Agência Brasil, Lula avaliou que a importância da lei está em garantir que, a partir de agora, não mais exista diferença entre brancos e negros no país.
Que assim seja! É o anseio de todos aqueles que se empenham para construir uma sociedade solidária altruística ecumênica.
José de Paiva Netto é Jornalista, radialista e escritor.
paivanetto@lbv.org.brwww.boavontade.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios