Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Desde Getúlio Vargas, com o Estado Novo, anunciam que o Brasil se tornará, um dia, celeiro do mundo. Segundo a 12a estimativa do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola, divulgada em 6 de janeiro pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), “a safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas atingiu, no ano passado, novo recorde, com 149,5 milhões de toneladas. Esse volume supera em 11,6% o obtido em 2009, que foi de 134 milhões de toneladas, e é 0,4% maior do que o previsto em novembro. O aumento em relação à estimativa do mês anterior se deve às maiores produções de aveia em grão (11,6%), cevada em grão (1,3%), milho em grão total (0,7%), trigo em grão (4,2%) e triticale em grão, cereal obtido a partir do cruzamento do trigo com o centeio, com alta de 5,8%”.

Outro dado revelador aponta o Paraná como líder na produção nacional de grãos, “com uma participação de 21,6%, seguido por Mato Grosso, com 19,3%, e pelo Rio Grande do Sul, com 16,9%. Esses Estados representam juntos 57,8% do total nacional. Na Região Sul, a produção de cereais, leguminosas e oleaginosas alcançou 64,1 milhões de toneladas. No Centro-Oeste, foram 52,5 milhões de toneladas, e no Sudeste, 17,1 milhões de toneladas. No Nordeste, o volume chegou a 11,9 milhões de toneladas, e no Norte, a 4 milhões de toneladas. Comparativamente à safra passada, houve incremento nas regiões Norte (6,0%), Sul (22,3%), Centro-Oeste (7,4%) e Nordeste (0,9%), enquanto no Sudeste houve queda de 0,7%”.

PLANETA QUENTE E FAMINTO

O possível aumento da temperatura média do planeta em 2,4 graus Celsius até 2020 — conforme recente estudo apresentado pela organização não governamental Fundo Ecológico Universal (FEU) da Argentina — significa perigoso indício do desaparecimento de regiões insulares e, consequentemente, de sucessivas catástrofes naturais. Com estimativa do crescimento da população mundial em 900 milhões para daqui a 10 anos, a produção global de alimentos pode não ser capaz de atender à demanda. O que serviu de base para a pesquisa é o impacto das mudanças climáticas em todo o orbe, que afetou o cultivo dos grãos mais consumidos pelo ser humano: trigo, arroz, milho e soja.

Ainda no relatório do FEU, vislumbra-se alta no preço dos alimentos acompanhada de um número crescente de pessoas com má nutrição. Dados da FAO, organismo das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, uma em cada sete pessoas sofre desse problema, totalizando cerca de um bilhão de habitantes, sendo as crianças as principais vítimas.

DIETA NOVA

Ao lado da implantação de novas tecnologias e da adaptação do cultivo dos grãos, o trabalho científico propõe mudança na dieta da população mundial como importante medida atenuante dos efeitos do aquecimento global na atividade agrícola.

Urge, mais do que nunca, conscientizarmo-nos da gravidade dessas previsões, procurando colaborar com ações aparentemente simples, como evitar o desperdício de comida, mas que refletem positivamente em âmbito mundial. Há décadas venho alertando para o fato de que a migalha de hoje é a farta refeição de amanhã.

ORAÇÃO

Permanecemos aqui em oração pelo pronto restabelecimento do talentoso escritor gaúcho e acadêmico dr. Moacyr Scliar. À sua querida família, o sentimento fraterno de todos nós.

SOS CALAMIDADES

A ação voluntária coordenada pela Legião da Boa Vontade, em parceria com os órgãos competentes, na arrecadação de gêneros de primeira necessidade em socorro às vítimas das fortes chuvas que atingiram o Sudeste e aos que padecem da estiagem no Sul, atingiu, até o momento, mais de 350 toneladas. É a LBV sempre de mãos dadas com a comunidade.

José de Paiva Netto, jornalista, radialista e escritor.

paivanetto@lbv.org.brwww.boavontade.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios