Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Por ocasião do Dia dos Avós, comemorado em 26/7, recordei-me de minha saudosa vó Laura. Viveu nesta encarnação 99 anos, lúcida, ativa e juvenil. Veio a falecer — vejam vocês o dinamismo dela — alguns dias depois de voltar da feira, e por causa de um acidente quando retornava para casa.
Com sua sabedoria, adquirida nos longos embates da vida, ensinava: “Aos que chegam, na sua existência, ao fundo do poço, só resta levantar a cabeça e começar a subir”. Sábias palavras.
Por sinal, em palestra que proferi sobre o que é ser jovem, veiculada pela Super RBV de Comunicação (rádio, TV e internet), destaquei esta máxima de Samuel Ullman (1840-1924), a qual muito aprecio: “A juventude não é um tempo de vida, é um estado de espírito”. Por isso, ao ouvir o incentivo que damos ao Jovem de Boa Vontade, o vovô ou a vovó jamais deve sentir-se excluído das nossas atividades. Eu mesmo, com muito gosto, já tenho quase 70 anos. Há décadas venho dizendo: aposentar-se do trabalho não significa aposentar-se da vida. Ela continua sempre. Portanto, é um erro descartar grandes valores porque estão “em idade avançada”. Descobertas importantíssimas foram feitas por homens e mulheres quando ultrapassavam os 60 ou 70 anos. É preciso, pois, aliar ao patrimônio da experiência dos mais velhos a energia dadivosa dos mais moços.
Enquanto houver um sopro de vida, de alguma maneira poderemos ser úteis. Façamos continuamente o Bem. 
Estatuto Da Igualdade Racial
Em 26/7, no programa semanal “Café com o Presidente”, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva comentou a sanção da lei que criou o Estatuto da Igualdade Racial: “Não é tudo o que a gente quer. Ainda faltam coisas para fazer, mas é importante que a gente tenha a clareza de que hoje temos o Estatuto da Igualdade Racial, temos uma lei que dá mais direitos, que recupera a cidadania do povo negro brasileiro”.
No mesmo pronunciamento, conforme noticiado pela Agência Brasil, Lula avaliou que a importância da lei está em garantir que, a partir de agora, não mais exista diferença entre brancos e negros no país.
Que assim seja! É o anseio de todos aqueles que se empenham para construir uma sociedade solidária altruística ecumênica.
Agradecimento
Recebi da conhecida astróloga Maria Eugênia de Castro a obra, de sua autoria, “Astrologia – Uma Novidade de 6.000 anos”, com esta gentil dedicatória: “Para o grande amigo Paiva Netto e sua bela família. Com todo o carinho da sempre de vocês, Maria Eugênia. 29.06.2010”.
Prezada amiga, nosso sentimento fraterno é recíproco.
José de Paiva Netto é Jornalista, radialista e escritor.
paivanetto@lbv.org.brwww.boavontade.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios