Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Estamos iniciando um novo ano e nada melhor do que elevarmos o nosso coração ao Alto com a Prece Ecumênica de Jesus:

Pai-Nosso

(Santo Evangelho, segundo Mateus, 6:9 a 13.)

Pai Nosso, que estais no Céu, santificado seja o Vosso Nome.

Venha a nós o Vosso Reino.

Seja feita a Vossa Vontade, assim na Terra como no Céu.

O pão nosso de cada dia dai-nos hoje.

Perdoai as nossas ofensas, assim como nós perdoarmos aos nossos ofensores.

Não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal, porque Vosso é o Reino, e o Poder, e a Glória para sempre.

Amém!

Ó Jesus, Médico de todos os médicos, cuja Misericórdia nos sustenta! Alicerçados no lema da Tua Religião Divina, que luta “por um Brasil melhor e por uma humanidade mais feliz”, pregamos e celebramos aqui o Teu Natal Permanente e, por consequência, o Teu Ano-Novo de Renovação Espiritual!

Resolvessem os governos do mundo todos os problemas sociais de seus povos, estes continuariam insatisfeitos, visto que há uma carência além da necessidade unicamente física: é a urgência do Alimento para o Espírito. Por esse motivo, o saudoso Proclamador da Religião do Amor Universal, Alziro Zarur (1914-1979), preconizou a Caridade Completa, ou seja, a Caridade Material iluminada pela Espiritual. Mas ainda há muito que ensinar sobre o significado da Caridade autêntica, aquela descrita pelo Apóstolo Paulo como a maior das três virtudes teologais — Fé, Esperança e Caridade (Primeira Epístola aos Coríntios, 13:13) —, porque Caridade quer dizer Amor, e “Deus é Amor” (Primeira Epístola de João, 4:8).

Ninguém pode ser religioso, ó Cristo de Deus, sem amar; político sem respeitar, de fato, os cidadãos; cientista se não assimilar a razão primeira da sua Ciência, que é a melhoria das condições dos seus semelhantes. E assim na Filosofia, na Arte, no Esporte, na Economia — que considero a mais espiritual de todas as ciências ou arte, porquanto em suas mãos se encontra a correta partilha dos meios de sobrevivência da criatura terrena.

Ressalto, entretanto, que, ao discorrermos sobre essa subsistência, ó Jesus, almejamos que todos compreendam quão inadiável é o reconhecimento de nossa natureza espiritual. Estamos corpo, mas somos eternamente Espírito.

Como escrevi em Os mortos não morrem (2018), nossa essência é imortal, porque “Deus é Espírito”, consoante Tu mesmo revelaste, Jesus, à mulher samaritana, no poço de Jacó: “Deus é Espírito; e importa que os Seus adoradores O adorem em Espírito e Verdade” (Evangelho, segundo João, 4:24).

José de Paiva Netto ― Jornalista, radialista e escritor.

paivanetto@lbv.org.br — www.boavontade.com

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.