Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.
Educando na Fé 01/03/2013  14h31

O júbilo da vida

Quando finalmente nos integramos na Fraternidade, encontramos Deus. Não me refiro ao antropomórfico, criado à imagem e semelhança do ser humano falível. E aí não mais nos confrange a ansiedade de negar ou provar a Sua existência.

Simplesmente, Ele é haurido por nosso Espírito, à maneira do ar, o qual ainda nos permite viver e sobreviver dignamente. O júbilo da vida é o que lha ofertamos.

É aquele fato: há pessoas que matam ou se destroem em dias gloriosos de sol. Os pássaros cantando, as flores se abrindo, tanta beleza em volta e a criatura não percebe. E está tudo ali, convidando-a à prática do bem e ao viver feliz.

Adverte Jesus no Seu Evangelho segundo Mateus, 6:23: “Se, porém, os teus olhos forem maus, todo o teu corpo estará em trevas. Portanto, caso a luz que em ti existe sejam trevas, que grandes trevas serão!”. Eis que tudo lhe parecerá tenebroso se mantiver a alma sombria. O Pai Celestial oferece-lhe todas as riquezas da vida Dele; e você persiste em reclamar, sem ao menos propor novos caminhos éticos? Quanto maior a lamentação, menos se é produtivo. Observaram que os que se queixam muito geralmente nada ou pouco realizam? Não falo de reivindicação justa. Esta deve ser feita.

Repito, o júbilo da vida é aquele que lha damos. Logo, se ela for altamente desafiadora, não quererá dizer que não venha a se tornar rica em realizações e felicidade. Tem de ser vivida em magnitude, pois há sempre ocasião de se vivenciar o bem.

E quando sentimos Deus, que é Amor elevado à enésima potência, a vida alcança o ritmo e a extensão da Eternidade. Quer dizer, espaço-tempo, integração no Dia do Senhor, conforme lemos no Apocalipse, 1:10.

Respeitar a própria existência

Precisamos saber mensurar a intensidade da vida pelo que a pessoa sabe espiritualmente usufruir.

Por isso, o suicídio é um dos piores crimes que o indivíduo pode perpetrar contra si mesmo. Daí a necessidade de respeitá-la. Reflexão de minha autoria, em Como Vencer o Sofrimento: Honremos, pois, o extraordinário dom que Deus nos concedeu, que é a existência humana, e Ele sempre virá em nosso socorro pelos mais inimagináveis e eficientes processos. Substancial é que humildemente entendamos os seus recados e os apliquemos com boa vontade e eficácia que Ele espera de nós. A permanente sintonia com o Poder Divino só nos pode adestrar o Espírito, para que tenha condições de sobreviver à dor, ainda que em plena conflagração dos destemperos humanos.

 “Educação, Ética e Cidadania”

Começou com entusiasmo o ano letivo de 2013 nas escolas da LBV. Direciono especial atenção a essa frente de trabalho da Legião da Boa Vontade empenhada em contribuir para uma melhor qualificação intelectual, moral e espiritual de crianças, jovens e adultos.

Para o início das atividades, milhares de kits de material escolar e pedagógico, da Campanha “Criança Nota 10 — Sem Educação não há Futuro!”, estão sendo entregues às meninas e meninos atendidos pela LBV no país.

Da Escola de Educação Infantil Alziro Zarur, em Taguatinga/DF, este relato de Consueles Ferreira Lima, mãe de Rayara, de 5 anos: “Minha filha estudando aqui representa educação, ética e cidadania. Aqui é uma escola ótima, maravilhosa; tem professores educados. É uma escola que cede refeição quatro vezes ao dia, uniforme... E tem várias outras atividades”.

Aos estudantes e a toda a equipe que integra a nossa rede de ensino, meus votos de sucesso na experiência e no aprendizado que conquistarão em 2013.

José de Paiva Netto — Jornalista, radialista e escritor.

paivanetto@lbv.org.brwww.boavontade.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios