Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.
Educando na Fé 29/04/2009  15h24

O valor da Família e a Grande Tribulação

Quais serão esses escolhidos?

Em 28/6/2008, sábado, na cidade do Rio de Janeiro, tive a honra de comandar a sessão solene de encerramento das atividades do 33o Fórum Internacional do Jovem Militante da Boa Vontade de Deus, cujo tema “Amar a Terra é proteger o futuro!” foi discutido pela Mocidade da LBV, desde junho do ano anterior, com diferentes segmentos da sociedade brasileira e mundial. 

Nesse encontro de almas livres, libertas de preconceitos e tabus, transmitido para todo o país e exterior pela Boa Vontade TV (canal 23 da SKY), pela NET e diversas operadoras de TV a cabo, além das emissoras de rádio que compõem a Super Rede Boa Vontade de Comunicação e pela internet (www.boavontade.com), dirigi-me a eles, firmando minhas palavras em Atos dos Apóstolos (c:1) e na Grande Tribulação, Evangelho de Jesus, Mateus: 24.  

Atendendo à solicitação de muitos desses militantes, reproduzo, a seguir, trechos de meu improviso: 

(...) O texto inicial dos Atos dos Apóstolos de Jesus, segundo Lucas, é uma das passagens mais emocionantes da Bíblia Sagrada. O Sublime Amigo fortalece as famílias em vários versículos. Inclusive, antes de ascender aos Céus, na Santa Ceia, ensina-lhes o roteiro da felicidade e da resistência em Deus. E exemplificou: antes da crucificação, cônscio do que ocorreria com Ele, canta hinos de louvor ao Pai com Seus Apóstolos (Evangelho, segundo Mateus, 26:30). É nesses instantes que você demonstra a sua fortaleza. Na dor é que o Poder de Deus se estabelece em nós como amparo, conforto e incentivo diante do impasse a ser suplantado. 

Mas não significa que tenhamos de sofrer para que o Criador se aproxime. Os bons pais amam seus filhos. Eles comparecem, dão apoio e, unidos, alcançam, com eles, a vitória. Jesus disse que não veio para os sãos e sim para os enfermos. É nessa hora que o amigo se apresenta. E não há maior amigo do que o Cristo Ecumênico, o Divino Estadista. Ele fez da dor a libertação da alma.  

(...) Na Sua Boa Nova (João, 14:11), Ele mesmo, o Sábio dos Milênios, afirma que, como cristãos, necessitamos acreditar na Palavra Dele, senão seremos hipócritas: “Crede-me que estou no Pai, e o Pai, em mim; crede ao menos por causa das mesmas obras”. E o que Jesus lamentava? Ele perdoou à mulher dita adúltera, também porque os que a queriam apedrejar eram tão adúlteros quanto ela. Não suportava a hipocrisia.  

(...) O Taumaturgo Excelso fala ainda em “tribulação como nunca houve desde a criação do mundo e nem jamais se repetirá”. Estamos vendo as estações climáticas alteradas, o Himalaia, os Alpes, perdendo a cobertura milenar de gelo, e isso afetará os rios na Ásia e na Europa.  

Adverte o Provedor Celeste: “E se não se abreviassem aqueles dias, ninguém seria salvo; mas, por amor dos escolhidos...” 

Quais serão esses escolhidos? Jesus assegura que “a cada um será dado de acordo com as suas próprias obras”.  

É bom que pensemos nisso, formando a imensa família Humanidade. 

José de Paiva Netto — Jornalista, radialista e escritor. paivanetto@uol.com.brwww.boavontade.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios