Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O Curitiba Carob House/CMP (PR) é o grande campeão da Superliga B feminina de voleibol 2018, quinta edição da história da competição. Em uma partida bastante equilibrada na noite desta segunda-feira (09.04), o clube curitibano levou a melhor no clássico paranaense contra o Vôlei Positivo/Londrina (PR) por 3 sets a 2 (29/31, 25/22, 25/19, 24/26 e 15/11), em 2h24, no Moringão, em Londrina (PR).

O jogo que deu o título ao Curitiba Carob House/CMP foi a sétima vitória consecutiva do time da capital paranaense no campeonato. Em oito partidas disputadas nesta temporada, o único revés foi na estreia justamente contra as adversárias na final. O equilíbrio no placar também foi marcante, e, pela primeira vez na história da Superliga B feminina uma decisão terminou em cinco sets.

No clássico paranaense as donas da casa começaram empolgadas com as arquibancadas tomadas pelos 4.280 torcedores presentes. Apesar disso, as visitantes retomaram o controle da partida e, com um saque mais eficiente e bom volume de jogo, levaram a melhor no segundo e terceiro sets. A quarta parcial foi muito similar à primeira, cheia de alternâncias. Mas o time londrinense acabou levando a partida para o tiebreak. O Curitiba conseguiu se reorganizar e manter os ânimos controlados para fechar o set e o jogo.

“Perdemos para elas justamente no primeiro jogo na temporada e na nossa casa. Estávamos ainda nos entrosando e buscando ritmo. Algumas atletas estavam recém-chegadas à equipe. Nosso time cresceu muito, e o Londrina é um time forte, que tem o nível similar ao nosso. Sabíamos que teríamos um jogo difícil pela frente. Nosso objetivo era subir para a elite e conseguimos. Este foi o meu último jogo de verdade”, disse a experiente ponteira Fofinha, do Curitiba, que foi um dos destaques da partida e que encerra a carreira após esta Superliga B.

Mesmo sem subir no lugar mais alto do pódio, o Vôlei Positivo/Londrina também teve o que comemorar. Como os dois finalistas garantem vaga na primeira divisão, segundo o regulamento da temporada, o time londrinense também já entrou em quadra com um pé na elite. O clássico paranaense nesta final, coroou o retorno do Paraná à Superliga feminina após jejum de 14 anos. A ponteira Ju Odilon, do Vôlei Positivo, sentiu a derrota, mas destacou que o mais importante, que era o acesso, foi conquistado.

“Por um lado, é triste pelo que fizemos ao longo de todo o campeonato, mas faz parte do voleibol. Tudo que foi feito antes ficou para trás e este jogo de hoje é que valeria. Foi um grande jogo e nós erramos muito. Elas também têm méritos pela vitória. Nosso objetivo era subir para a Superliga A e o título seria para coroar o trabalho, mas agora temos que seguir em frente”, comentou Ju Odilon.

Imprensa/CBV

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios