Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.
Fala Sério! 02/11/2013  16h54

Nos Bailes da Vida

Aprendemos a dançar. O primeiro passo vem do acalanto do colo. Para engatinhar. Depois as canções de roda. Para brincar. Mais tarde, vêm os primeiros passos nos compassos, e já descompassos. Eles chegam sem avisar. Alguns passam rápidos. Outros chegam para ficar. Na memória. Na saudade. Eternas. As primeiras notas podem ser de uma valsa perdida no tempo. Como melodias cantadas pelo vento. E quando chegam os primeiros amores, as baladas. Preguiçosas. Como o coração. E a razão. Prevalece mais a intuição. E não se pode dizer que também não virão então, os primeiros tangos e tragédias. Mas as baladas ficarão inacabadas. Para sempre recordadas. Porque deverão dar lugar as canções do suspiro ao luar. Para quem começar a amar. E também a chorar. Ainda bem que no meio delas todas, sempre aparecerá o brilho. Do amanhã. Da esperança. Como se ao som do samba e carnaval. Irreverentes. Descontraídos. Bem como se precisa para esquecer. Recomeçar. E se ainda não entendemos os bailes da vida, um vai começar. Com marcha triunfal. Nupcial. De sonhos. Projetos. Amanhãs. Que logo poderão se tornar ontem. Passados. Porque nos esquecemos de aprender novos passos. De como bem amar. Ser amados. Perdoar. Ser perdoados. Na maioria das vezes colocamos a tocar o metal pesado. Para tudo arrebentar. Quebrar. Esquecer. Mas sempre vão ficar algumas notas. Poucas é claro. Mas que fazem lembrar. Pensar. Podemos até solfejar. E nos condenar. Não devemos lembrar. Faz mal para quem não soube amar. Ou ser amado. O certo, entretanto, é o que ainda queremos ouvir. Ao final dos bailes da vida. E por ela podemos sorrir. Ou chorar. O bom é que muitos nas últimas notas da orquestra poderão dizer. Eu soube dançar. Viver. Sorrir. Ser. Amar. Eu aprendi a ser nos bailes. A vida.   

À partir desta semana, temos a parceria com o Portal Metrópole 360 de Goiânia-GO (www.metropole360.com.br). Um abraço aos novos parceiros. E goianos fora de seu estado. Este vale à pena.  
 
Antonio Jorge Rettenmaier
Escritor, cronista e palestrante. Esta crônica está em mais de cem jornais do Brasil e exterior. Contatos ajrs010@gmail.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios


Notice: Undefined variable: usuario_tk in /var/www/vhosts/jornaluniao.com.br/httpdocs/widget_footer.php on line 245
NULL