Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Natural de Alvorada do Sul e com passagens por restaurantes de Londrina, o finalista do Top Chef, César Scolari, conquistou o público e planeja lançar linha de produtos

Um dos participantes mais carismáticos e talentosos do Top Chef Brasil, reality show culinário exibido pela Record TV,  é um paranaense, natural de Alvorada do Sul. Formado em Gastronomia pelo Centro Universitário Filadélfia (UniFil) e com passagens por restaurantes de Londrina, no norte do Estado, César Scolari, de 39 anos, conquistou o público e impressionou os jurados pela característica de transformar comida em arte.

A segunda temporada do reality reuniu 14 cozinheiros na disputa por um prêmio de R$ 300 mil e do título de Top Chef Brasil. Foram 12 episódios que, além de mostrarem a habilidade dos competidores na cozinha, exibiram a convivência deles na mansão Top Chef. As gravações chegaram a ser interrompidas por um período por causa da pandemia, mas foram retomadas em julho com a adoção de protocolos de segurança.

Em cada episódio, os competidores disputaram duas provas. No Teste de Fogo, os cozinheiros profissionais se enfrentaram em grupo ou individualmente para conquistar vantagens e até mesmo imunidade. Já no Desafio da Eliminação, o objetivo era garantir a continuidade no programa. O vencedor desta prova ganhava a Faca de Ouro, um poder especial e crucial para o jogo.

Durante a trajetória no Top Chef, César Scolari acumulou três Facas de Ouro, das cinco provas de eliminação, chegou à final e se destacou pelos pratos autorais e a diversidade da sua cozinha. “O reality me fez me enxergar melhor como pessoa e profissional”, afirma. Apesar de não ter levado o prêmio, ele comemora a repercussão positiva e o carinho que tem recebido.

O cozinheiro buscou valorizar a culinária paranaense no programa. Na final da competição, criou um menu autoral inspirado no quintal de casa, que misturou comida da “roça” com alma italiana. “Servi moela e ossobuco. Fui bem abusado”, brinca o chef, reconhecido pelo bom-humor.

O Menu da Vida de Scolari, como foi chamada a prova final do programa, levou o nome “Quintal de Madalena”, a avó de origem italiana do participante. “Foi legal porque pude mostrar um pouco do nosso Estado e que o menu de alta gastronomia pode ser acessível”, diz.

Para o chef, é fácil cozinhar com ingredientes caros, mas eles não estão à disposição em casa no dia a dia, ainda mais em período de pandemia. Por isso, ele quis criar pratos que pudessem ser reproduzidos por qualquer pessoa. “Mostrei um pouco do interior do Paraná, da roça, e isso me deixou muito feliz”, comemora.

A história com a gastronomia começou de forma despretensiosa, quando decidiu abandonar a graduação em Design para morar em Milão, na Itália, onde viveu durante nove anos. O destino foi escolhido pelo sonho de trabalhar com moda. “Mas, chegando lá, a realidade é outra. Comecei a trabalhar em restaurantes, lavando pratos”, lembra. E foi a partir daí que ele se viu apaixonado pela gastronomia.

As experiências com as culinárias italiana, espanhola, mexicana, peruana deram a bagagem necessária para que ele retornasse ao Brasil, em 2013, para chefiar o Empório Guimarães, em Londrina, por cinco anos. “Já no primeiro ano de volta percebi que precisava de formação e fui cursar Gastronomia”, conta. À frente do restaurante londrinense, conquistou selos de qualidade e diversos prêmios. Também atuou como consultor para o Mercado Guanabara.

De olho em novas oportunidades e aprendizado, deixou Londrina em 2018 e mudou-se para São Paulo. Na capital paulista, muitas portas se abriram. O chef passou pela Oficina, Padoca do Brique e hoje comanda a cozinha do Verissimo, um bar temático que faz homenagem ao escritor Luis Fernando Verissimo e fica no Brooklin Novo.

Com a projeção dada pelo reality, o paranaense agora planeja criar uma linha de produtos, como compotas de frutas, além de promover jantares a quatro mãos, dar aulas de food designer e consultorias para restaurantes. O veganismo também é uma área de interesse de Scolari, que trabalha com produtos orgânicos, numa vertente política e sustentável da alimentação.

Amanda de Santa/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.