Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Kátia Abreu disse que Mapa está preparado para ajudar setor a remover barreiras externas

O aumento das exportações e a sanidade das frutas foram os principais assuntos levados pelo setor da fruticultura à ministra Kátia Abreu (Agricultura, Pecuária e Abastecimento). Ela destacou o grande interesse estrangeiro por alimentos funcionais brasileiros e reforçou o compromisso da pasta com a defesa agropecuária dos pomares.

A ministra recebeu na quarta-feira (16) representantes de onze entidades de todo o país para ouvir as demandas do setor, sob coordenação da Associação Brasileira dos Produtores Exportadores de Frutas e Derivados (Abrafrutas). As prioridades dos produtores se concentram na abertura de mercados internacionais e na liberação de produtos químicos para as lavouras.

Os produtores de manga, por exemplo, pediram agilidade no registro do genérico do fungicida paclobutrazol, usado para retardar o crescimento das plantas. O setor de uvas e de melão quer eliminar barreiras fitossanitárias, a fim de ganhar acesso aos mercados da Ásia e da América do Sul, como China, Coreia do Sul, Tailândia, Argentina e Colômbia. Já os produtores de banana reivindicam a inclusão da cultura no sistema Geosafras, da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), com objetivo de gerar dados estatísticos confiáveis e inteligência competitiva.

Kátia Abreu afirmou que o Mapa está preparado para auxiliar os fruticultores na remoção de barreiras externas aos produtos nacionais. Um dos principais focos da atual gestão, disse, é desburocratizar processos para atender da forma mais ágil e eficiente possível o produtor rural.

Ela destacou ainda a grande demanda internacional por alimentos funcionais, como açaí, água de coco e guaraná. “Estou impressionada com o crescimento do interesse de países como Estados Unidos, China e Japão por esses alimentos. Precisamos tomar a frente desse nicho de mercado, sermos protagonistas no fornecimento desses produtos. O Brasil tem todas as condições para isso.”

Sobre sanidade, a ministra lembrou que, no ano passado, o ministério criou um programa específico para cuidar do controle e da erradicação da mosca-das-frutas – principal praga que atinge os pomares brasileiros e responsável por grandes prejuízos. Até 2019, o programa vai destinar R$ 128 milhões para aumentar a qualidade, a segurança fitossanitária e o consumo de frutas nos mercados interno e externo.

Asimp/Mapa

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.