Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A partir de sua história familiar, você foi formando conceitos, comportamentos, sentimentos com relação à sua afetividade e sexualidade

Vamos percorrer um caminho que, favoreça o autoconhecimento de sua afetividade e sexualidade, olhando para a sua história familiar.

Quem são seus pais? Eles estavam conscientes da missão da paternidade e maternidade responsáveis? No momento do seu nascimento, o que era valorizado pela sua família?

Será que os seus pais valorizavam o ato sexual como uma resposta afetiva, uma expressão do amor? Será que o ato sexual era associado ao amor conjugal?

Será que eles tentavam separar a sexualidade da procriação? Será que houve apenas doação física ou a sexualidade atingiu o seu pleno significado, pois era a expressão da doação pessoal do homem e da mulher com amor, fidelidade, honra e generosidade para com o cônjuge e para com a vida que surge do seu gesto de amor?

É hora de parar e responder a essas perguntas, olhando para a sua família

Não é momento de julgar o comportamento do pai, da mãe, dos avós e irmãos. É o momento de perceber que as experiências familiares nos formam e, muitas vezes, nos deformam.

Isso vale, particularmente, para a educação moral, espiritual e, sobretudo, vale para um ponto tão delicado como a afetividade e sexualidade.

“Quando o amor total se realiza no matrimônio, o dom de si exprime, por intermédio do corpo, a complementaridade e a totalidade do dom; o amor conjugal torna-se, então, uma força que enriquece e faz com as pessoas cresçam e, ao mesmo tempo, contribui para alimentar a civilização do amor” (L’Osservatore Romano, Encíclica Humanae Vitae).

Você foi crescendo e, possivelmente, muitas coisas mudaram.

Em muitas famílias os pais, que antes estavam despreparados, amadureceram e cresceram na relação conjugal; outros perceberam que com o tempo, a doação pessoal para com o cônjuge e filhos (família), foi sendo questionada e até criticada.

Muitos deixaram de ter a companhia do pai ou da mãe. A partir de sua história familiar, você foi formando conceitos, comportamentos, sentimentos com relação a sua afetividade e sexualidade.

A educação sexual harmônica, no seio familiar, forma filhos equilibrados emocionalmente, com grande autoaceitação, serenidade e uma capacidade de autodoação, já exercida nas relações familiares.

Com a presença do pai e da mãe você tem modelos de comportamentos feminino e masculino e, é capaz de perceber a riqueza da complementaridade, da confiança; da doação de si; da renúncia; do amor total, fiel e fecundo.

Então, surgem os primeiros sentimentos positivos e negativos.

Verifique:

. Você tem dificuldade de confiar no sentimento do outro?

. Você se sente descartável em uma relação?

. Você deseja doar-se por amor?

. Você é afetivo?

. Você é receptivo ao afeto?

 Você deseja ser fiel?

. Você gostaria de ter filhos, esposa(o) – família?

. Você é individualista?

. Você respeita e dá o devido valor ao sexo oposto?

. Você é impulsivo?

. Você consegue aguardar e perseverar na busca do que realmente quer, mesmo que isso exija sacrifício e esperar o tempo?

. Você é agressivo?

. Você é ansioso?

. Você é considerado, pelos outros, como insistente pegajoso?

. Você tem medo de ficar só?

. Você tem medo de não ser escolhido ou aceito por alguém?

. Você tem medo de errar?

. Você se julga pelo corpo, cabelo, altura?

. Você se avalia pelo seu desempenho?

. Você tem autodomínio?

O que precisa ser curado em você

Agora, de acordo com suas respostas, avalie o que precisa ser curado em você. Hoje, com sua capacidade de auto-observação você precisa assumir, responsavelmente, a sua vida e buscar entender o que fazer para viver o amor conjugal. Esse amor que, segundo a Encíclica Humanae Vitae, tem quatro características: é amor humano (sensível e espiritual), é amor total, fiel e fecundo.

Agora é momento de retornar ao primeiro parágrafo. No início, você avaliou a sua história, a sua concepção e nascimento. Agora, você vai escrever que história você quer para seu filho. Será que você está preparado ou vivendo o amor conjugal? Os seus pais não tiveram todas essas informações e, hoje, você as têm. O que você pode fazer para santificar a família que Deus reservou para você?

Deus lhe dá a graça necessária, é momento de oração. Deus quer refazer sua história, Deus quer curá-lo, Deus quer ressuscitar sua família. E, hoje, te forma para ser um homem novo para um mundo novo. Você é semente de uma nova geração.

Cláudia May Philippi – Psicóloga Clínica – CRP 2357/1 (Canção Nova)

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.