Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) aprovou ontem (23) o projeto que estabelece 24 de maio como o Dia Nacional de Conscientização sobre a Esquizofrenia. Caso não haja recurso, o PL 3.202/2019 seguirá para análise da Câmara dos Deputados.

A esquizofrenia é um transtorno descrito pela psiquiatria como uma série de sintomas que afetam o modo como uma pessoa pensa, sente e age, consistindo em grave desestruturação psíquica que leva à perda da capacidade de integração de sentimentos com pensamentos.

Do senador Flávio Arns (Rede-PR), a proposição prevê que durante a celebração as entidades públicas e privadas promovam ações voltadas à temática desse transtorno, abrangendo os direitos e a dignidade da pessoa com esquizofrenia, a contribuição a sua inclusão na sociedade, o combate aos estereótipos e preconceitos e o tratamento adequado à doença.

O senador citou dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), de abril de 2018, mostrando que a esquizofrenia acomete 21 milhões de pessoas no mundo inteiro. Geralmente, o diagnóstico surge no fim da adolescência e início da vida adulta. Na faixa etária de 15 a 35 anos, a estimativa é de que 1% da população mundial seja acometida pelo transtorno, esclareceu Arns.

Para ele, além dos desafios causados pelas características próprias da doença, há a necessidade de se superar as barreiras da discriminação no meio social. A sociedade precisa saber que o tratamento envolve medicamentos, psicoterapia, terapias ocupacionais e a conscientização da família, que absorve a maior parte das tensões geradas pela doença, defendeu Arns. A esquizofrenia não tem cura, mas permite à pessoa por ela acometida ter uma vida normal, produtiva e integrada à sociedade por meio de tratamento adequado com medicamentos e apoio psicossocial, justificou.

— Por que um dia nacional? Porque é um dia de parada, um dia de reflexão, de sensibilizar a comunidade, de chamar a atenção do pais para essa necessidade — explicou.

A senadora Zenaide Maia (Pros-RN) leu o relatório do senador Eduardo Girão (Podemos-CE).

— Não há dúvida de que a consciência da sociedade brasileira sobre a esquizofrenia, e os outros tipos de transtorno mental, precisa ser ampliada e aprofundada. Há muita incompreensão, preconceito e desconhecimento sobre os transtornos psíquicos, sendo importante que as instituições públicas e privadas, especialmente as relacionadas à saúde mental, estabeleçam canais de comunicação com a população sobre o assunto — declarou Zenaide.

A senadora informou ainda, segundo dados do relatório, que a esquizofrenia é uma das doenças mentais mais graves e com estimativas de que alcance cerca de 1% da população. E destacou que a doença se manifesta principalmente na adolescência.

Agência Senado

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.