Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A Ciência está em busca da “cura” para algo que pode comprometer seriamente a vida na Terra. Não, não estamos falando do COVID-19. Estima-se que essa pandemia possa levar à morte algo entre 1% a 5% de todos os infectados. Estamos falando de algo que pode ser muito pior e talvez levar à extinção da vida humana: o impacto de um grande asteróide!

Essa possibilidade pode parecer “distante” e “improvável” mas, para muitos, uma pandemia como a que estamos passando também era vista desta forma e hoje, infelizmente, sentimos na pele que ela é real e fatal.

A história do planeta Terra é recheada de vários impactos colossais, desde eventos com o que deu origem à Lua, quando um corpo do tamanho de Marte chocou-se com nosso planeta, há cerca de 4,5 bilhões de anos, até o mais famoso evento do gênero, ocorrido há 65 milhões de anos, com a queda de um asteróide com aproximadamente 10 a 15km de diâmetro onde hoje é a Península de Yucatan, no México, e que teria desencadeado a extinção dos dinossauros e muitas outras formas de vida.

Tunguska

Em 30 de junho de 1908, um pequeno asteróide (ou fragmento de cometa), da ordem de 40 a 70m de diâmetro, explodiu a alguns quilômetros de altitude, com uma potência de cerca de 200 bombas de Hiroshima, devastando uma região de aproximadamente 2.000km², maior que todo o município de São Paulo!

Por sorte, isso ocorreu na Sibéria, região da Rússia muito pouco povoada, e estima-se que possa ter vitimado até 30 pessoas, muito embora oficialmente não exista registro de vítimas.

Caso o mesmo fenômeno ocorresse sobre uma área povoada, como uma grande cidade, poderíamos ter milhões de mortos!

Risco iminente

A órbita da Terra é frequentemente “atravessada” por objetos conhecidos por NEO’s (sigla para Near Earth Objects – Objetos Próximos da Terra). São objetos como asteróides e cometas que, em sua viagem pelo Sistema Solar, intersectam a órbita terrestre em determinado ponto. Caso isso ocorra quando nosso planeta esteja passando por ali, a chance de colisão pode ser muito grande.

Corpos da ordem de várias dezenas a algumas centenas de metros de diâmetro podem causar danos locais ou regionais catróficos, com milhões de mortos, mas a Humanidade estaria segura.

Contudo,  impacto com objetos de alguns quilômetros de diâmetro poderia desencadear um novo processo de extinção em massa e ameaçar seriamente a vida humana na Terra.

E é importante lembrar que corpos assim, com até dezenas de quilômetros, existem aos milhares no Sistema Solar!

Governos de vários países investem em observatórios para a detecção desses objetos. Grupos de pesquisadores autônomos também se dedicam a esse projeto, que busca catalogar todos os objetos pontecialmente perigosos para que se possa determinar as chances de um futuro impacto e, sabendo-se com o máximo de antecedência, permitir que se busque mitigar os riscos. E aqui as possibilidades ainda são incertas, como o envio de foguetes com bombas para explodir o objeto ou modificar a sua órbita.

Asteroid Day

Idealizado em 2014 pelo astrofísico e guitarrista da banda Queen, Brian May, e vários outros pesquisadores, o “Asteroid Day”, comemorado no dia 30 de junho, em lembrança ao evento de Tunguska, nesta mesma data, em 1908, busca conscientizar sobre a necessidade de detecção precoce e mais pesquisas sobre asteróides.

E 2016 a ONU declarou esta data como o “Dia do Asteróide”, e eventos ocorrem em todo o mundo, compartilhando informações e ensinando sobre Ciência, trazendo os riscos que esses objetos podem representar para a Humanidade, inspirando e empolgando pessoas a se dedicarem ao tema.

O GEDAL (Grupo de Estudo e Divulgação de Astronomia de Londrina) coordena as atividades do Asteroid Day no estado do Paraná, e realizará dois eventos on line sobre o tema.

Nesta terça, às 20 horas, na página do GEDAL no Facebook (https://www.facebook.com/grupogedal), membros do grupo participarão de um “bate papo” sobre o assunto, explicando sobre o tema e respondendo a perguntas feitas pelo chat sobre isso e qualquer outro tópico ligado à Astronomia.

No sábado, dia 04 de julho, às 15:00, também na página do GEDAL no Facebook, haverá uma live exclusiva sobre o tema, chamada “Impactos sobre a Terra”, com o pesquisador Rodrigo Sato, geólogo e presidente da SMB – Sociedade Meteorítica Brasileira.
Asimp/GEDAL / MCTL
 

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.