Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) informou por meio de nota em seu site, publicada na última quinta-feira (21), que o Paraná aumentará a eficiência, a competitividade produtiva, o desenvolvimento de sua infraestrutura de transporte sustentável e a integração regional com a implantação do Programa Estratégico de Infraestrutura e Logística de Transporte, orçado em R$ 1,36 bilhão (US$ 435 milhões).

O banco já concordou em financiar R$ 735 milhões (US$ 235 milhões) do valor total previsto para diversas intervenções no sistema estadual de transporte. Os outros R$ 626 milhões (US$ 200 milhões) sairão da contrapartida do Governo do Estado. As partes aguardam aval da União para formalizar o contrato de empréstimo. “Temos um entendimento muito bom com o banco e o financiamento será fundamental para melhorarmos ainda mais a infraestrutura logística do nosso Estado”, afirma o governador Beto Richa.

O plano apresentado pelo governo estadual inclui 24 projetos rodoviários, com repavimentação de estradas existentes, restauração, expansão e pavimentação de rodovias, num total de 239 quilômetros. Os principais trechos de pavimentação são Irati/São Mateus (PR-364), Pitanga/Mato Rico (PR-239) e Coronel Domingos Soares/Palmas (PR-912). Também estão no programa a duplicação da Rodovia da Uva (PR-418), entre Curitiba e Colombo, e novos contornos em Castro, Pato Branco e Marechal Cândido Rondon.

“O Paraná tem como objetivo melhorar o nível de serviços e a segurança viária na infraestrutura de logística e transporte do Estado”, informa a nota do BID. Para o banco, a estratégia reduzirá custos de operação e o tempo médio de viagem, “assim como o número de pontos críticos de segurança na rede rodoviária e ferroviária”.

MULTIMODAL - Ao citar a importância das intervenções, o banco ressalta que o programa paranaense vai reforçar a multimodalidade de transporte. “Como resultado, o programa reduzirá o custo geral das operações de veículos, facilitará o acesso e tornará mais economicamente atraente o uso de modos distintos de transporte dentro de uma perspectiva multimodal”.

Além dos recursos para modernização das rodovias, o financiamento do BID prevê, também, a criação de pontos de armazenagem de grãos, estacionamentos e áreas de serviços em regiões estratégicas para o transporte de cargas no Paraná. A intenção é construir esses centros em Cascavel, Maringá, Ponta Grossa, Guarapuava e Guaíra.

O texto também destaca que a melhora da infraestrutura rodoviária e ferroviária estadual “aumentará a eficiência das cadeias produtivas pela redução dos custos logísticos e de transporte, possibilitando que as indústrias do estado se tornem mais competitivas e alcancem maior inserção regional e global”.

A manifestação do banco salienta que o programa do Governo do Paraná apoiará o desenvolvimento de instrumentos de planejamento, como planos diretores e estudos para promover o transporte multimodal, e também apoiará a melhora institucional da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (SEIL). Além disso, 4,01% dos recursos da operação serão investidos em atividades de mitigação e adaptação à mudança climática.

“São obras que vão modernizar as rodovias paranaenses e solucionar os gargalos rodoviários em áreas que foram planejadas em décadas passadas. Precisamos adequar as rodovias para impulsionar a economia e projetar novos investimentos em todas as regiões do Paraná”, afirma o secretário de Infraestrutura e Logística, José Richa Filho.

ESTRATÉGICO – Ao descrever o Paraná, o texto publicado no site do BID informa que o Paraná é a quinta maior economia do Brasil e gera 6% do Produto Interno Bruto nacional. É também o quarto maior exportador do país, com uma participação de 7,5% no total nacional.

“O Paraná tem uma posição geográfica estratégica para onde convergem fluxos importantes de comércio intrarregional e internacional e conta com importantes conexões terrestres com os estados vizinhos de São Paulo, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina e também com a Argentina e o Paraguai”, conclui o texto.

A linha de crédito do BID será de US$ 235 milhões, com prazo de amortização de 25 anos, com período de desembolso de cinco anos, carência de cinco anos e taxa de juros baseada na LIBOR.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.