Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) anunciou na sexta-feira (14) que o bloco Sul da nova rodada de concessões de aeroportos tem valor de contrato estimado em R$ 8,9 bilhões e lance mínimo de R$ 516 milhões. O conjunto engloba quatro aeroportos paranaenses (São José dos Pinhais [Afonso Pena], Foz do Iguaçu, Londrina e Curitiba – Bacacheri), dois catarinenses (Navegantes e Joinville) e três gaúchos (Pelotas, Uruguaiana e Bagé). A duração do contrato de concessão será de 30 anos.

Na semana passada, depois de uma reunião com o secretário nacional da Aviação Civil (SAC), Ronei Saggioro Glanzmann, em Brasília, o governador Carlos Massa Ratinho Junior garantiu investimentos de pelo menos R$ 1,5 bilhão nos quatro aeroportos do Estado. As obras e aquisições de novos equipamentos farão com que os terminais subam de categoria e constarão no contrato de concessão.

Em 2020 serão leiloados 22 aeroportos em três blocos regionais definidos conforme a localização geográfica: Norte, Central e Sul. Juntos, esses terminais respondem por 11% dos passageiros no mercado brasileiro de aviação civil.

AUDIÊNCIAS PÚBLICAS – A Anac também aprovou a abertura de consulta pública para participação social no processo da 6ª rodada de concessões. Os documentos jurídicos – minutas de edital e de contrato de concessão da nova rodada – estarão disponíveis para contribuições por 45 dias (acesse aqui).

A Anac realizará quatro sessões presenciais, sendo a primeira em Goiânia e as demais em Manaus, Curitiba e Brasília. A audiência do bloco Sul será realizada em Curitiba, no dia 9 de março, a partir das 9h, no Mercure Aeroporto (Rua Barão do Cerro Azul, 261 - Águas Belas, São José dos Pinhais).

As contribuições da população poderão ser encaminhadas até o dia 1º de abril de 2020 por meio de formulário eletrônico disponibilizado no mesmo endereço (aqui).

PARTICIPAÇÃO – A 6ª rodada de concessões propõe regulação flexível, compatível e proporcional ao porte de cada aeroporto em relação a tarifas, investimentos e qualidade dos serviços. Segundo a Anac, a exigência quanto ao nível de serviço será aderente à realidade de cada aeroporto, sem que se abra mão de um melhor atendimento ao usuário.

Segundo as regras do edital, um mesmo proponente pode arrematar os três blocos e não haverá participação da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero). A concessionária deverá ter em sua composição um operador aeroportuário com, no mínimo, 15% de participação societária e experiência de 1 um ano no processamento de pelo menos 1 milhão de passageiros para os blocos central e norte, e 5 milhões de passageiros para o bloco sul.

BOX

Confira os blocos aeroportuários e as exigências do edital

BLOCO SUL – Composto por nove aeroportos: São José dos Pinhais, Foz do Iguaçu, Londrina e Curitiba - Bacacheri, no Paraná; Navegantes e Joinville, em Santa Catarina; e Pelotas, Uruguaiana e Bagé, no Rio Grande do Sul. A contribuição inicial mínima é de R$ 516.278.067,20. O valor estimado para todo o contrato da concessão é de R$ 8.954.000.938,86.

BLOCO NORTE – Formado por sete terminais: Manaus, Tabatinga e Tefé, no Amazonas; Rio Branco e Cruzeiro do Sul, no Acre; além de Porto Velho (RO) e Boa Vista (RR). A contribuição inicial mínima é de R$ 43.736.988,96. O valor estimado para todo o contrato da concessão é de R$ 4.058.068.961,41.

BLOCO CENTRAL – São seis aeroportos nas cidades de Goiânia (GO), Palmas (TO), Teresina (PI), Petrolina (PE), São Luís e Imperatriz, no Maranhão. A contribuição inicial mínima é de R$ 49.696.447,47. O valor estimado para todo o contrato de concessão é de R$ 4.503.989.621,39.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.