Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

No último dia 04, um vazamento no botijão de gás causou um incêndio que destruiu a cozinha de um residência no bairro Cafezal I. Esse tipo de acidente pode ser evitado com medidas simples de segurança no uso do botijão de gás. Liquigás Distribuidora reúne dicas para o uso do GLP com tranquilidade e segurança.

O gás liquefeito de petróleo (GLP) para uso doméstico, comercializado em recipientes (botijão e cilindro) de 5, 8, 13 e 45 kg pela Liquigás Distribuidora, representa uma energia limpa, sustentável e segura. No processo de envase são utilizadas técnicas e equipamentos modernos para que o consumidor tenha um produto seguro e dentro dos mais rígidos critérios de qualidade. Fabricados segundo a norma NBR 8460 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), os recipientes passam por um rigoroso programa de qualidade, incluindo testes e processos de requalificação. Além disso, possuem um dispositivo de segurança chamado plugue fusível ou válvula de segurança que, em caso de aumento da pressão interna, expulsa o gás e impede que ocorram acidentes. E como todo combustível, é necessário que os botijões e os cilindros sejam armazenados e manipulados corretamente.

Com a finalidade de promover o correto uso do GLP nas residências, a Liquigás preparou uma série de dicas para seus consumidores poderem aproveitar toda a energia do GLP com tranquilidade e segurança.

O cuidado deve começar no momento da aquisição do botijão ou cilindro. Recipiente sem lacre ou sem marca visível (estampada em alto relevo no corpo do recipiente) deve ser recusado. A compra deve ser feita somente em revendas autorizadas, com entregadores devidamente identificados. Além disso, ao receber o produto, o consumidor deve se certificar de que a marca estampada em alto relevo no recipiente é a mesma do lacre e da etiqueta (rótulo) de segurança.

Outro cuidado importante é com a instalação. Reguladores e mangueiras devem conter o símbolo do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (INMETRO), o número da norma técnica de fabricação, além das datas de validade impressas em seu corpo (esses equipamentos têm prazo de cinco anos). O uso de reguladores e mangueiras vencidas pode causar vazamento. Importante observar que para a fixação da mangueira no regulador e no fogão deve-se utilizar abraçadeiras. Após a instalação, é necessário verificar se há vazamento com um teste simples, que consiste em colocar espuma nas duas extremidades da mangueira.

É importante que o consumidor adquira botijões somente de revendas autorizadas e confira sempre a existência do lacre e da data de fabricação do botijão. Caso o vasilhame não contenha essas informações, o consumidor deve recusá-lo.

Para garantir a segurança dos vasilhames, eles são submetidos à requalificação, processo periódico de avaliação, recuperação e validação dos botijões que determina a continuidade de sua utilização, conforme normas estabelecidas pela ABNT. O Programa Nacional de Requalificação, gerido pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), é o maior e mais bem-sucedido do mundo nessa área. Segundo o Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás), desde o início do programa, em 1996, até dezembro de 2017, foram requalificados 206 milhões de recipientes e 59 milhões de novos botijões foram adquiridos. Hoje, existem 117 milhões de vasilhames em circulação no Brasil e, a cada ano, 11,5 milhões de botijões são requalificados.

A primeira requalificação é realizada em até 15 anos após a fabricação do botijão e as subsequentes devem ocorrer a cada 10 anos. Os recipientes que passam por esse processo recebem uma placa, em formato “ferradura” colocada em torno da válvula, que indica a data da realização da sua última requalificação. Já os vasilhames que não estão em condições de uso são destruídos e o material é encaminhado para reciclagem.

Fique atento para as dicas sobre armazenamento e instalação do recipiente:

Onde armazenar o recipiente

Coloque o recipiente sempre em locais ventilados, para facilitar a dispersão do gás em caso de vazamento;

Nunca armazene o botijão em compartimentos fechados (armários, gabinetes, vãos de escada, porões etc.);

Nunca coloque o botijão próximo a tomadas, interruptores e instalações elétricas (mantenha distância mínima de 1,50m);

Nunca instale o botijão próximo a ralos ou grelhas de escoamento de água (mantenha distância mínima de 1,50m). Por ser mais pesado que o ar, o gás pode se depositar nesses locais, em caso de vazamento. Assim, qualquer chama ou faísca poderá provocar um acidente;

De preferência, o botijão deve ficar do lado de fora da cozinha em local arejado, coberto e protegido das intempéries, desde que não fique confinado, podendo ficar em local fechado com grades que permitam a circulação do ar.

Troca do botijão

Antes de trocar o botijão, certifique-se de que todos os botões dos queimadores do fogão estejam desligados;

Nunca efetue a troca do botijão na presença de chamas, brasas, faíscas ou qualquer outra fonte de calor;

Nunca role o botijão. Transporte-o preferencialmente na posição vertical;

Retire o lacre de segurança do botijão levantando a própria aba do anel externo com a mão e gire-a no sentido anti-horário até o disco central sair completamente;

Retire o regulador de pressão do gás do botijão vazio e, em seguida, encaixe e rosqueie sobre a válvula do botijão cheio;

Use apenas as mãos. Não utilize ferramentas como martelo ou alicate;

Antes de trocar o botijão, examine sempre as condições da mangueira e do regulador de pressão de gás, verificando sempre o prazo de validade e as condições de conservação.

Em caso de dúvidas, os revendedores da Liquigás Distribuidoras são treinados e estão capacitados para realizar a instalação dos botijões de forma segura.

Instalações sem risco

Após instalar, faça o teste de vazamento, passando espuma de sabão ao redor da conexão da válvula de saída de gás e do regulador de pressão de gás;

Se surgirem bolhas, repita a operação de instalação. Se o vazamento continuar, desconecte o regulador de pressão de gás e verifique se existe vazamento na válvula;

Caso o vazamento continue, leve o botijão para um lugar ventilado, deixando o regulador de pressão de gás desconectado e chame a assistência técnica do seu fornecedor de gás;

Jamais passe a mangueira por trás do fogão. Se for necessário alterar a posição de entrada de gás, chame profissionais credenciados pelo fabricante do fogão;

Não instale o fogão onde há corrente de ar que possa apagar a chama e causar vazamento de gás.

Nunca vire ou deite o botijão. Se ainda existir algum resíduo de gás, ele poderá escoar na fase líquida, o que anula a função do regulador de pressão, podendo provocar graves acidentes, assim como entupir o regulador de pressão, a mangueira e os queimadores.

Alice Bettencourt/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios