Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Seis em cada dez brasileiros (65%) confiam em veículos impressos. Televisão e rádio (65%) e sites de notícias (58%) também possuem boa aceitação

O Brasil é o quarto país que mais confia no conteúdo produzido por jornais e revistas, aponta a pesquisa global “Trust in the Media”, da Ipsos. Seis em cada dez brasileiros (65%) confiam em veículos impressos. Globalmente, o índice é de 47%. Por outro lado, 8% dos brasileiros não confiam e 23% não têm muita confiança. A Sérvia é a nação que menos confia, com 11%.

O estudo mostra que outros meios de comunicação também possuem boa aceitação entre a população brasileira: 65% afirmam que confiam na televisão e no rádio e 58% em sites de notícias e plataformas online. No mundo, os índices são de 49% e 45%, respectivamente.

O Brasil também está entre os países que mais acreditam que os jornais e revistas são relevantes. Enquanto a média global é de 54%, a brasileira está em 70% (empatada com Malásia), atrás apenas de Índia (82%) e África do Sul (74%). A relevância dos outros meios no país também está em alta: televisão em rádio (69%) e sites de notícias e plataformas online (70%).

Globalmente, metade dos entrevistados (50%) acreditam que jornais e revistas agem com boas intenções. No Brasil, o percentual é de 63% (o mesmo para os veículos online). Os brasileiros acreditam ainda mais na boa intenção da televisão e do rádio (65%).

“O Brasil tende a ser uma população que valoriza e confia na mídia mais do que grande parte dos países do mundo. O brasileiro é um cidadão que acredita na mídia e no valor que ela tem para informar e instruir”, afirma Diego Pagura, diretor na Ipsos Brasil.

Outras fontes de informação

No mundo, as pessoas confiam mais em que elas conhecem pessoalmente (72%) do que online (27%). Os brasileiros também confiam mais nos conhecidos ‘face a face’’ (73%) do que pela internet (38%).

Entre os entrevistados globalmente, a percepção de relevância das notícias e informações recebidas por pessoas conhecidas pessoalmente também é maior (70%) do que as enviadas por contatos da internet (36%). No Brasil, os índices são de 76% e 48%, respectivamente.

Somente 39% dos entrevistados globalmente acreditam que as pessoas conhecidas pela web agem com boas intenções quando compartilham informações. O índice é bem maior para quem conhecem cara a cara (72%). No Brasil, os resultados são ainda mais altos: 49% e 76%, respectivamente.

“As pessoas reconhecem que a relevância da informação que vêm de pessoas que conhecem pela internet é menor. Elas já reconhecem e antecipam que esse conteúdo talvez seja menos importante”, pontua Pagura.

Fake News

No entanto, o Brasil está entre os países que também mais acredita que o conteúdo falso prevaleça em jornais e revistas (59%). A Sérvia é o que mais acredita, com 82%. O índice global é de 52%.

Entre os entrevistados brasileiros, a percepção de que as fake news prevalecem na internet é ainda maior, com 68% - média acima do que a global (62%). Para a televisão, os índices são de 61% e 52%, respectivamente.

As informações obtidas entre os amigos também geram desconfiança, já que 61% dos brasileiros acreditam que eles podem trazer conteúdo falso. A média global é de 37%. A possibilidade de conteúdo falso é ainda maior entre conhecidos apenas pela internet, com 67% no Brasil e 54% no mundo.

A pesquisa online foi realizada com 19,5 mil entrevistados em 27 países, incluindo o Brasil, entre 25 de janeiro e 8 de fevereiro de 2019. A margem de erro para o Brasil é de 3,1 p.p.

Asimp/Ipsos

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.