Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Feplana e Sindaçúcar esperam que a Comissão de Minas e Energia da Câmara Federal inclua entidades defensoras ou agende nova audiência

Nesta quarta-feira (11), semanas após a chegada do projeto do Senado para baixar o preço do etanol para o consumidor final através do fim de uma resolução da ANP que impede as usinas de venderem aos postos, haverá audiência pública para tratar do tema na Comissão de Minas e Energia da Câmara Federal. O problema é que, segundo denunciam a Federação dos Plantadores de Cana do Brasil (Feplana) e o Sindicato da Indústria do Açúcar e do Álcool (Sindaçúcar-PE), os atravessadores do etanol produzido nas usinas foram favorecidos na formação da mesa desta audiência, composta só por entidades contrárias à venda direta.

"Nem o senador Otto Alencar (PSB/BA), autor do respectivo Projeto de Decreto Legislativo (PDS 61/2018) que seguiu para a Câmara, teve o seu nome incluso como participante oficial da audiência", diz Alexandre Andrade Lima, presidente da Feplana. A entidade representa 70 mil fornecedores de cana em 12 estados produtores. Apesar da amplitude, o órgão também não foi inserido na lista de presentes com direito a fala.

''Foram escolhidas a junção só de entidades como a União da Indústria da Cana de Açúcar e empresas Distribuidoras, todas que discordam em ceder espaço ao produtor de etanol com benefícios aos consumidores diante do processo da venda direta aos postos", pontua Renato Cunha, presidente do Sindaçúcar-PE.

Portanto, para a Feplana e para Renato Cunha, esta audiência pública precisa garantir a pluralidade dos atores neste processo legislativo que deve refletir o debate posto na sociedade e que clama pela venda direta do etanol. Só assim se dará a real oportunidade ao produtor genuíno e principalmente para o consumidor final e não somente às distribuidoras. Do contrário, a Comissão de Minas e Energia da Câmara irá atuar para condenar o produtor a vender seu etanol a poucas distribuidoras quando existem mais de 40 mil postos revendedores de hidratado no país.

Caso esta seletividade seja mantida, o consumidor continuará pagando 13% a mais no preço do etanol só com a margem de lucro para manter a exclusividade às atravessadoras através da então resolução da ANP, sem se falar no outro custo proveniente do passeio do etanol das usinas para os pontos de distribuição e o respectivo retorno para os postos. A Feplana e Sindaçúcar esperam que a Comissão de Minas e Energia da Câmara Federal inclua entidades defensoras ou agende nova audiência.

Robério Coutinho/Asimp/AFCP/Feplana

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.