Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A Celepar lançou nesta terça-feira (04) o Programa de Inteligência Artificial, dando início à inserção da empresa em um novo patamar de criação, voltado a identificar problemas e apontar soluções pelo uso de vários recursos de computadores. 

A Companhia é a responsável pelo desenvolvimento de aplicativos de tecnologia da informação e comunicação ao Governo do Paraná. Como ponto de partida do seu Programa de Inteligência Artificial, a Celepar colocará em prática a metodologia aplicada na criação do robô Laura, solução que prevê casos da doença sepse. 

O robô é utilizado desde setembro de 2016 pelo Hospital Nossa Senhora das Graças, em Curitiba, e já respondeu pelo diagnóstico em mais de 60% dos pacientes portadores desta síndrome nos dois postos que receberam a tecnologia, com índice de acerto em 97,7% dos casos, o que está ajudando a salvar vidas. 

POLÍTICAS PÚBLICAS - “Se a metodologia aplicada no robô Laura apresenta excelentes resultados na área da saúde, é sinal que tem potencial para ser replicada nos demais setores da administração estadual e auxiliar no estabelecimento de políticas públicas voltada às necessidades da população”, disse o presidente Jacson Carvalho Leite. “O programa permite que a Celepar e o Governo do Paraná continuem na vanguarda do uso de soluções de inteligência voltadas à modernização da gestão estadual”, afirmou. 

ROBÔ LAURA – O facilitador da metodologia da inteligência artificial na Celepar é o analista de sistemas Jacson Fressatto que perdeu a filha Laura aos 18 dias de vida. Ela foi vítima de septicemia, uma infecção silenciosa que tira a vida de milhares de pessoas em todo o mundo diariamente. 

A septicemia, conhecida apenas como sepse, é categorizada como uma infecção geral grave do organismo. Causa inflamação sistêmica, potencialmente fatal, principalmente quando atinge o grau máximo de "choque séptico". 

Após a morte da filha, durante nove meses, Fressatto trabalhou como voluntário em vários hospitais, principalmente naquele onde Laura foi tratada e acabou falecendo. A bagagem adquirida nesta caminhada, aliada à sua formação profissional, permitiu que ele criasse o robô. 

SALVA VIDAS - O robô utiliza tecnologia cognitiva, na qual a solução tem a característica de aprendizado de máquina, entendendo e até conversando com áreas operacionais, no caso, em hospitais. 

Segundo o seu criador, o Robô Laura tem a capacidade de salvar mais de 12 mil vidas por ano no Brasil, reduzindo em 5% o índice de mortes. O objetivo é poupar tempo, recursos e vidas, e tecnicamente, Laura é o primeiro robô cognitivo de gestão de risco. 

PAIXÃO - Jacson Fressatto explica que o Projeto de Inteligência Artificial que a Celepar está implantando é regido por paixão. “A meta é ajudar as pessoas, impactar muitas vidas não apenas na área da saúde, mas atingir todas as esferas das políticas públicas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), uma vez que a companhia está presente na quase totalidade das ações do Governo do Estado”. 

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL - É o ramo da ciência da computação que se propõe a elaborar soluções que simulem a capacidade humana de raciocinar, perceber, tomar decisão e resolver problemas.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios