Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Angola receberá a partir deste ano centenas de participantes de vários setores na primeira edição da Bienal de Luanda - Fórum Pan-Africano para a Cultura de Paz. A realização do evento, entre os dias 18 e 22 de setembro, envolve a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Unesco, a União Africana e o governo angolano, do Platina Line, maior portal de entretenimento do país e da Clé Entertainment.

Cultura de Paz

Falando à ONU News, de Paris, o diretor da Divisão de Informação da Unesco, Vincent Defourny, explicou como a série de encontros terá impacto em vários setores do continente.

“É uma cooperação entre o governo angolano, a União Africana e a Unesco. Estamos a preparar este evento para ser um encontro regular, que em dois anos permita uma reflexão sobre a criação de uma cultura de paz. Mas é uma forma muito concreta e operacional, através de uma gestão dos recursos naturais, do conhecimento da história africana. Não só de forma intelectual, mas também de forma artística, desportiva e cultural no sentido amplo.”

Os participantes na bienal incluem jovens, instituições culturais, artistas, cientistas, políticos, parceiros económicos e a sociedade civil para refletir sobre os compromissos com a paz e o desenvolvimento sustentável no continente africano.

A ideia é que com o início da Bienal de Luanda passem a ser organizadas ações dedicadas à cultura de paz sustentável em África.

Ideologia

“Mobilizar a comunidade angolana, mas não somente a angolana. Catorze países africanos e a diáspora estarão presentes. Estes apresentarão também suas iniciativas e projetos, sua forma de pensar para a concretização desta cultura da paz. Assim será a ideia da bienal de Luanda. Vai ter um fórum de ideias, um fórum da juventude, um festival da cultura e paz para o desporto para as populações locais e vamos trazer parcerias de cultura da paz para África.”

A presença de parceiros do movimento pan-africano deve ser aproveitada para debater o futuro do continente, avaliar projetos e iniciativas para apoiar toda a região.

A Unesco vê a Bienal de Luanda como uma oportunidade para que os próprios africanos possam “moldar a África do futuro”.

Tecnologias

“Uma identidade africana global, que envolve todos os africanos do continente mas também das diáspora, os refugiados e as migrações, juventude na paz e na segurança, a prevenção da violência e de conflitos através da educação e da cultura, a prevenção dos conflitos através de uma prevenção razoável dos recursos naturais, criatividade e o espírito empresarial e de inovação para levar à cultura da paz e o papel das mulheres que vai ser particularmente importante e a promoção de cultura de paz através da media e das tecnologias de informação e de comunicação.”

Para a Unesco, criar uma cultura de paz nas mentes de homens e mulheres africanos “é essencial para construir sociedades fortes e inclusivas que são cruciais para a construção de um futuro sustentável” para toda a região.

Fabiano de Abreu/MF Press Global

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.